“Água parada é sinônimo de Dengue, a Chikungunya e o Zika Vírus”, declarou diretor-geral da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), Adriel Alcântara.

Calor, sol forte e registros de chuvas na madrugada. Esse cenário é propício para a proliferação do inimigo número um do verão, causador de um dos maiores problemas de saúde pública: o mosquito Aedes aegypti, que transmite a Dengue, a Chikungunya e o Zika Vírus. O diretor-geral da Fundação Estadual de Saúde (Funesa), Adriel Alcântara, em entrevista ao Alese Notícias, disse ao repórter Marcos Borges que o cuidado com o Aedes acontece o ano inteiro. “Agora no verão o cuidado é redobrado com o mosquito, pois é quando ele se prolifera mais rapidamente”, explicou.

 Adriel Alcântara disse que no ano passado a Brigada Estadual Itinerante inspecionou mais de 315 mil imóveis em todo o Estado, foram 132 visitas. Lembrou ainda que a Funesa aumentou o número de agentes de endemias para atuar no controle do Aedes neste período, época mais crítica do ano. O diretor da Funesa afirma que é de vital importância a contribuição da população no combate ao Aedes. “Os nossos agentes fazem seu papel, mas o cidadão precisa inspecionar seu imóvel e a redondeza, buscar onde é o foco do mosquito”.

Água parada é sinônimo de Dengue, a Chikungunya e o Zika Vírus. Adriel declarou ao Alese Notícias que a população precisa adotar cuidados com o armazenamento de água em recipientes, que acabam se tornando criadouros do mosquito. O diretor da Funesa disse que durante inspeções a Brigada Itinerante encontrou foco do mosquito até mesmo na vasilha que armazena água na parte traseira da geladeira. Diante da suspeita de foco em terrenos baldios ou até mesmo em prédios na vizinhança Adriel sugere que o cidadão telefone para a Funesa ou para outro órgão para relatar a denúncia. “Pedimos o apoio de todo mundo, que abram as portas para os agentes”.

 Agência de Notícias Alese

Foto: Jadilson Simões- Alese