Deputados estaduais debateram hoje (16), no plenário da Assembleia Legislativa, aspectos da crise econômica que afeta as administrações municipais em Sergipe. Provocado pela deputada Silvia Fontes (PDT), o debate envolveu diversos parlamentares da situação e oposição. Entre eles, o líder do governo, Francisco Gualberto (PT) e o ex-líder da oposição, Venâncio Fonseca (PP).

Em seu aparte, Venâncio voltou a apontar as supostas mentiras de Dilma Rousseff na campanha eleitoral de 2014 como motivo para a crise econômica vivida no país. Inconformado com essa colocação, Francisco Gualberto retrucou de imediato. “É obvio que nós temos dificuldades verticalizadas: país, estados e municípios. Não podemos fugir dessa discussão. Mas o que não podemos admitir é o simplicismo das coisas. Dizer que a razão da crise é porque a presidente Dilma mentiu é um discurso vazio da oposição”, disse o petista.

Também em aparte ao pronunciamento de Silvia, Francisco Gualberto lembrou que a Grécia, Itália, China, Rússia também enfrentaram ou enfrentam crise e nem por isso foi atribuída alguma mentira aos seus governantes. “O discurso tem que ser do concreto. Existe uma crise do capitalismo em várias partes do mundo. E isso é cíclico, pois o capitalismo tem seus momentos de crescimento e de regressão”, afirmou.

Para ele, apesar das dificuldades impostas, essas crises não podem penalizar os trabalhadores. Para que isso ocorra, segundo Gualberto, é preciso taxar as grandes fortunas, os grandes patrimônios, heranças, alterar a relação com os banqueiros, e buscar outras formas de aumento de arrecadação. “Acontece que o playboy, quando está muito eufórico em Brasília ou em qualquer outro lugar, nem pensa no que diz. Resumir o grau de problemas econômicos que temos no país a apenas uma suposta mentira da presidente na campanha eleitoral, é falta do que fazer. Se fosse assim, então todos os gestores estaduais e municipais mentiram”, provocou Gualberto. “Então o campeão brasileiro das mentiras está aqui em Aracaju. Teria que trazer o troféu para Aracaju, para entregar à pessoa certa”, disse.

Já em Brasília, ontem mesmo nove partidos com representação na Câmara dos Deputados assinaram documento contra o pedido de impeachment de Dilma. Além de PT, tem PC do B, PDT, Pros, PMDB, PP, PR, PSD e PRB. O grupo soma 301 deputados e fez questão de entregar em mãos a Dilma Rousseff a ‘Declaração em defesa da democracia e do mandato popular’. “Usar crise econômica para chegar ao poder é versão moderna do golpe”, disse Dilma, lembrando que nos últimos anos vários países passaram por crise e em nenhum deles a “ruptura democrática” foi vista como solução.

“Portanto, está claro que existe uma crise política fabricada por quem perdeu a eleição e quer um terceiro turno. Mas na constituição brasileira só existe primeiro e segundo turno. Não há terceiro turno. A não ser através de um golpe, como eles querem”, completou Francisco Gualberto.

Fonte: Ascom Dep. Francisco Gualberto – Gilson Sousa – DRT

Foto: Ascom Parlamentar