dsc_0315Galeria repleta de requerentes que pleiteiam seus Precatórios. É que os representantes  da Comissão dos Credores de Precatórios participaram  na manhã desta quarta-feira, 30, na  Assembleia Legislativa de  Sergipe, de palestra sobre Precatórios, a qual foi  ministrada pelo juiz de Direito, Marcos de Oliveira Pinto,  juiz auxiliar da presidência do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJ/SE).  As discussões em torno da tramitação dos processos de precatórios em Sergipe, que ocorreu na  Casa Legislativa, partiu do deputado Estadual, Georgeo Passos, do  (PTC).

Longa peleja

Com 62 anos de idade, funcionária do Ipes, aposentada, e com problemas na regularização de ajuste de remuneração (gratificações), desde o ano de 2005,  dona Solange Gois Silva,  espera que  seu direito  de precatório seja validado.

dna-solange-foto-jadilson-simoes-301116

Solange Gois, representante da comissão que representa os credores de precatórios. Há uma década aguarda seus direitos.

Para ela a sensação é de injustiça e descaso. “É uma falta de respeito, por ser um direito nossa, não deveria se deixar que entrasse na Justiça. É negligência de todos os gestores que já passaram. Ocorre que entramos na Justiça,  ganhamos a causa, e a grande maioria não leva. Pra se ter uma uma ideia dessa situação,  90%  das pessoas que entraram na justiça para recebimento do precatório já morreram. Eu espero há 10 anos, já se faz uma década. Há pessoas na comissão com mais de 28 anos no aguardo desse direito!”, conta descontente a aposentada.

Dona Solange revela que há quatro anos  os requerentes formaram uma comissão e  foram  às ruas para reivindicar seus direitos.  “Colocamos cruzes pelas ruas para chamar a atenção. Mas, com a direção de dr Marcos Pinto,  a frente do setor de Precatórios, já não precisamos mais ir na rua. Com ele a viabilidade desses pagamentos estão acontecendo gradativamente, diferente das gestões passadas. Estamos muito bem representados, uma pena que ele já está saindo dessa função”, explica ele, ressaltando que, “espera que antes de morrer, eu receba meus direitos negligenciados”,  salienta confiante.

 Por Agência de Notícias Alese

Fotos: Jadilson Simões