“Sinto-me extremamente agredida ao vermos manchetes que revelam mortes brutais em nosso município. Infelizmente, em Itabaiana, uma cidade de povo ordeiro e trabalhador, registrou até o início deste mês, 106 homicídios. Três deles, registrados em menos de duas horas, conforme noticiou o jornal Correio de Sergipe, em sua edição de hoje”. O reclamo e sentimento de revolta é da deputada estadual Maria Mendonça (PP) ao falar da “falta de planejamento do Governo”, situação que, no seu entender, “tem levado Sergipe ao estado de caos em áreas estratégicas como educação, saúde e segurança pública”.

 

Apesar de toda a onda de violência que leva o Estado a liderar o ranking de mais violento do país, “o Governo ainda manda uma peça orçamentária, que fixa a receita e estima a despeita para 2017, negativa. Mesmo com toda a violência, com registros de situações brutais de mortes; com assaltos em plena luz do dia em todos os pontos da capital e interior do Estado, este Governo que ai está, ainda, corta recursos da segurança pública. É lastimável”, reclamou a deputada.

 

Maria ressaltou que, pela proposta do orçamento, que está tramitando na Assembleia Legislativa, o Governo tira quantias vultosas da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros. “Imagine a Polícia que já está desaparelhada, sem das devidas condições, ainda ter verbas a menor”, disse, lembrando que são os policiais que fazem a segurança ostensiva da população e que, muitas vezes, por falta da mínima estrutura, têm suas vidas colocadas em risco todo o tempo”, afirmou.

 

De acordo com a deputada, o sistema prisional está completamente comprometido. Ela lembrou que a penitenciária localizada no município de Areia Branca, cuja reforma está pronta há algum tempo, continua sem receber detentos comprometendo ainda mais a situação. Na Delegacia de Itabaiana, citou Maria, existem 50 presos quando a capacidade é de em média quatro vezes menos. “Isso com dois policiais para fazer o atendimento, o que é humanamente impossível. São homens e mulheres que dignificam a farda que usam e que trabalham com afinco para que a segurança seja melhor, mas o Governo não lhes oferece qualquer estrutura”, disse.

 

Além das superlotações nas Delegacias em todo o Estado, registra-se cadeias saturadas, sem as mínimas condições de acolher os presos, resultando em mortes de agentes, constantes fugas de detentos e amedrontamento à população. “As pessoas estão assustadas. Temem por suas vidas porque, infelizmente, o Estado que deveria garantir segurança, como preceitua a Carta Magna do país, não o faz”.

 

Cerceamento de direito

Para Maria Mendonça, a falta de planejamento e de boa vontade do governador Jackson Barreto têm provocado o cerceamento do direito de ir e vir da população. “Por pura má vontade, por puro desleixe com áreas essenciais e estratégicas, os direitos dos cidadãos de bem estão sendo negligenciados. Isso é inaceitável; não podemos nos calar”, frisou a deputada, ressaltando que as pessoas estão com medo de abrir as portas e de sair às ruas.

 

Em todo o Estado, observou a deputada, comerciantes e comerciários, que geram desenvolvimento e incrementam a economia dos municípios têm sido vítimas da ação dos marginais que agem tranquilamente, dada a certeza que têm de que não serão importunados. “E apesar da boa vontade dos policiais civis e militares, os bandidos agem porque sabem que não há estrutura para a polícia agir”, afirmou, acrescentando que “a situação é gravíssima e o governador precisa respeitar as pessoas”.

 

Em aparte, o deputado estadual Antônio dos Santos (PSC) se somou ao pronunciamento de Maria e manifestou solidariedade aos itabaianenses, onde tem se registrado homicídios além da média. “Lamentavelmente, essa falta de planejamento dificulta a vida das pessoas. Mais de 100 homicídios para uma população de pouco mais de 100 mil habitantes. Isso demostra a fragilidade do Governo”, afirmou.

 

Por Assessoria Parlamentar