UFS adere a Comprovante Vacinal e Rodrigo Valadares propõe solução para não vacinados

Por Assessoria Parlamentar
 
Após liminar judiciária determinar que a Universidade Federal de Sergipe (UFS) deverá exigir o comprovante de vacinação contra a Covid-19 de alunos, professores, técnicos e terceirizados, o pânico tomou conta daqueles que não completaram o ciclo vacinal e precisarão frequentar o ambiente universitário, seja para trabalhar ou estudar. 
 
Pensando nisso, o deputado estadual, Rodrigo Valadares, que tem deixado claro ser contra o passaporte vacinal, resolveu se reunir com o reitor da universidade e sua equipe, na manhã da última quarta-feira, 26, a fim de propor uma forma de amenizar os prejuízos causados a professores e alunos não vacinados. 
 
“O nosso desejo é de que não houvesse a exigência do passaporte vacinal na UFS e que todos pudessem estar presencialmente nas salas de aula, mas também entendemos que se trata de uma medida judicial e, por isso, buscamos mecanismos para que alunos e professores que optaram por não serem vacinados não sejam prejudicados”, declarou. 
 
A proposta feita pelo parlamentar é de que o ensino híbrido seja feito com a inserção daqueles que não poderão frequentar as dependências da universidade. “A UFS já optou por aderir ao ensino híbrido, online e  presencial, então entendemos que a universidade possui estruturas suficientes para inserir os professores e alunos não vacinados ao ensino remoto, evitando que os profissionais fiquem sem trabalhar e os alunos possam dar continuidade a graduação. Eu sei que o desejo de todos era estar de forma presencial, pois, de certa forma, o online acaba trazendo limitações, mas essa foi a solução temporária que encontramos”, disse. 
 
Ouvindo atentamente o deputado, a reitoria da universidade se comprometeu em levantar o quantitativo de professores e alunos que não se vacinaram e, a partir destes dados, avaliar a possibilidade de acatar a referida sugestão.
 
Aproveitando a oportunidade, Rodrigo ressaltou ainda que pretende entrar com um processo judicial para que a obrigatoriedade da vacinação seja revogada na Universidade Federal do Estado e o direito individual de escolha dos indivíduos sejam respeitados.
 
 “Nós entendemos que a vacinação é muito importante, salva vidas e foi a partir dela que os hospitais desafogaram, mas temos que entender também que as pessoas têm a liberdade individual de escolher se desejam ou não serem vacinadas, por isso entraremos com um processo judicial para que a medida seja revista e revogada”, pontuou. 
 
Finalizando, o parlamentar agradeceu a receptividade do reitor e sua equipe em recebê-lo, além de citar a esperança que possui para que, daqui a poucos meses, a Covid e suas restrições cheguem ao fim, evitando problemas como este.
 
Foto: Assessoria Parlamentar

Outras notícias para você