No grande expediente da sessão da Assembleia Legislativa desta terça-feira (18),  o líder da oposição o deputado Capitão  Samuel (PSL), falou sobre o anúncio do Governo do Estado para a construção do centro de ressocialização para menores em desvio com a lei, no município de Nossa Senhora do Socorro, região da grande Aracaju.

Segundo Samuel, diante da repercussão negativa entre a população dos conjuntos residenciais Marcos Freire I, II,III e João Alves e aliados políticos, a oposição vai questionar o motivo da escolha, que na opinião dele, deveria ser em um local afastado de um centro urbano como é o de Socorro.  “A Lei preconiza que o novo modelo de centro de ressocialização deve ter, cinema, parque aquático, escolas. No meu entender, eles não devem ser erguidos próximos a nenhum centro urbano. A escolha do local em Nossa Senhora do Socorro me parece inadequado”, opinou.

Para Capitão Samuel, a área escolhida pelo Governo fica próximo ao SESC, ao Shopping, ao hospital e a escolas, ou seja, dentro do município. “Se um desses menores detidos consegue fugir e invade uma escola, ou o hospital, colocando em risco a vida de centenas de estudantes e alguns doentes, ou uma casa residencial, quem vai ser responsabilizar? Isso pode causar outro problema de segurança pública”, ressaltou.

Em seu discurso, o líder da oposição disse que, entende a necessidade da ressocialização e de um local mais adequado para tentar recuperar os adolescentes infratores. E ainda, que tenha fácil acesso para os familiares, mas não concorda que seja dentro das cidade. “Por isso, peço a ajuda da bancada do governo aqui na Alese para agilizar uma reunião com o Governo do Estado para levarmos a preocupação da população desses conjuntos residenciais, porque precisamos acalma-los. E peço urgência para que o governo  não perca os recursos destinados à construção desse centro de ressocialização. Pela  experiência que tenho nos 20 anos de Polícia Militar, se for construído próximo ao centro urbano em Nossa Senhora do Socorro vai interferir na segurança da população”, concluiu.

 

Por Glice Rosa

Foto: Divulgação Assessoria