Comemora-se em 13 de abril, o Dia do Hino Nacional. A data foi escolhida porque em 13 de abril de 1831, a música composta em 1822 pelo maestro e professor Francisco Manuel da Silva, foi executada pela primeira vez em público, na despedida de Dom Pedro I que voltada para Portugal, deixando o trono para seu filho, Dom Pedro de Alcântara (futuro Dom Pedro II).

De acordo com o professor de história André Amaral, na época em que o Hino foi escrito, comemorava-se a independência do Brasil em relação a Portugal.  “Podemos dizer que o hino foi escrito a duas mãos. A letra é do poeta, crítico e literário Joaquim Osório Duque Estrada e celebrava a liberdade. A harmonia musical foi feita pelo maestro e professor Francisco Manuel da Silva em 1822. Incialmente o hino era chamado de Marcha Triunfal”, explica.

Professor de história Andre Amaral. Foto: Arquivo Pessoal

Para ele, o Hino Nacional representa a nação brasileira em qualquer lugar do mundo. “Pessoas que moram fora do país se emocionam e recordam sua história de vida, ao ouvir a canção. É um ícone emocional e cultural”, afirma.

“O Hino é um símbolo do nacionalismo brasileiro. Mas, como os antigos costumes, o nacionalismo deveria ser mais praticado nas escolas, ainda na infância, para que realmente saibamos o significado do hino para o Brasil e o respeito à pátria seja perpetuado nas futuras gerações”, analisa Amaral.

Curiosidades

O professor acrescenta que existem algumas curiosidades sobre o Hino Nacional. “Uma delas é que na época em que foi escrito, a letra foi considerada ofensiva, seus autores foram até chamados de monstros, até que de tanto ser executado por seus autores, de maneira insistente, o hino acabou caindo no gosto popular”, conclui o professor de história André Amaral.

Estilo do texto

Sabe-se que a forma do poema é rigorosamente parnasiana, porém o seu conteúdo é romântico, inserindo-se nas propostas dessa escola literária no que se refere à exaltação ufanista.

Trata-se de um texto parnasiano, que privilegia a forma mesmo com sacrifício da clareza da mensagem, gerando dificuldades de compreensão. Para isso, colaboram o preciosismo vocabular e as frequentes inversões da ordem do discurso, tão ao gosto dos acadêmicos do final do século XIX, mas distantes do universo das gerações atuais.

Você sabia?

A letra do hino nacional possui ao todo 50 versos, distribuídos em duas partes rigorosamente simétricas, tanto na métrica como no ritmo.

Simbologia

O Hino Nacional Brasileiro é um dos quatro símbolos oficiais da República Federativa do Brasil. Deve ser executado em continência à Bandeira Nacional e ao presidente da República, ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal.

Sua execução é permitida ainda na abertura de sessões cívicas, nas cerimônias religiosas de caráter patriótico e antes de eventos esportivos internacionais. De acordo com a lei, durante a execução, todos devem tomar atitude de respeito, de pé e em silêncio.

 Um breve histórico

A música se tornou bastante popular. Mas o povo não adotou a letra e cantava o hino com versos próprios. Havia diversas versões, todas relacionadas à monarquia. Em 1841, com a coroação de Dom Pedro II, a letra do hino foi trocada e passou a ser considerada como o Hino Nacional Brasileiro, embora não tenha sido oficializada como tal.

Em 1889, com a Proclamação da República, foi aberto um concurso para eleger o novo hino. Mas a canção vencedora não foi aceita pelo povo.

A recusa levou o presidente da República, Marechal Deodoro da Fonseca a oficializar o hino antigo, de Francisco Manuel da Silva, como Hino Nacional Brasileiro.

Durante quase um século, o Hino Nacional foi executado sem ter, oficialmente, uma letra. As tentativas de acrescentar um texto à música não vingaram. Segundo os historiadores, os versos não eram bons: os primeiros, carregados de ressentimentos, insultavam os portugueses; os outros pecavam pelas “bajulações” ao soberano reinante.

Em 1909, um novo concurso foi aberto para escolher uma letra para o Hino. O Poema vencedor foi de Joaquim Osório Duque Estrada. A composição foi comprada pelo então presidente Epitácio Pessoa, por meio de um decreto de agosto de 1922. A oficialização do Hino Nacional, por lei, no entanto, só aconteceu em setembro de 1971. O hino adquirido por Epitácio Pessoa permanece até hoje.

Por Tíffany Tavares – Agência Alese de Notícias, com informações do site www.radioagencianacional.ebc.com.br

Ouça aqui o Hino Nacional Brasileiro Oficial

Bandeira do Brasil

Hino Nacional

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
De um povo heroico o brado retumbante
E o sol da liberdade, em raios fúlgidos
Brilhou no céu da pátria nesse instante

Se o penhor dessa igualdade
Conseguimos conquistar com braço forte
Em teu seio, ó liberdade
Desafia o nosso peito a própria morte!

Ó pátria amada
Idolatrada
Salve! Salve!

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido
De amor e de esperança à terra desce
Se em teu formoso céu, risonho e límpido
A imagem do cruzeiro resplandece

Gigante pela própria natureza
És belo, és forte, impávido colosso
E o teu futuro espelha essa grandeza

Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil
Ó pátria amada!
Dos filhos deste solo és mãe gentil
Pátria amada
Brasil!

II

Deitado eternamente em berço esplêndido
Ao som do mar e à luz do céu profundo
Fulguras, ó Brasil, florão da América
Iluminado ao sol do novo mundo!

Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores
“Nossos bosques têm mais vida”
“Nossa vida” no teu seio “mais amores”

Ó pátria amada
Idolatrada
Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo
O lábaro que ostentas estrelado
E diga o verde-louro dessa flâmula
Paz no futuro e glória no passado

Mas, se ergues da justiça a clava forte
Verás que um filho teu não foge à luta
Nem teme, quem te adora, a própria morte

Terra adorada
Entre outras mil
És tu, Brasil
Ó pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil
Pátria amada
Brasil!