Por Habacuque Villacorte

A Assembleia Legislativa de Sergipe, por iniciativa do mandato do presidente e deputado estadual Luciano Bispo (MDB), concedeu na tarde dessa segunda-feira (20), em solenidade no gabinete da presidência, o Título de Cidadão Sergipano ao Maestro Guilherme Mannis, Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Sinfônica de Sergipe (ORSSE), desde 2006. A solenidade foi prestigiada por familiares e amigos do homenageado, além do deputado estadual Luciano Pimentel (sem partido) e da presidente da Funcap, Conceição Vieira, e o diretor de Cultura, Yuri Rocha.

Deputados entregam honraria ao homenageado

Sobre o homenageado, Luciano Bispo explicou que aquele gesto se tratava do reconhecimento a uma trajetória de vida vitoriosa, digna e que enobrece ainda mais o Diploma de Cidadão Honorário. “Mannis desenvolveu, ao longo de 11 anos, reconhecido projeto de inserção da Sinfônica de Sergipe no cenário artístico nacional, realçando-se a realização de diversas temporadas anuais, variadas gravações de música brasileira, turnês nacionais, participações em Festivais Internacionais e realização de óperas em concerto, dentre outras”.

Luciano Bispo acrescentou ainda que, sob sua direção, a Orquestra Sinfônica de Sergipe promoveu também apresentações pelo interior do Estado de Sergipe e a popularização do acesso à música de concerto. “Mannis também foi responsável pela concepção do projeto social Orquestra Jovem de Sergipe, proporcionando ensino musical a centenas de jovens carentes de Aracaju. Muito me estima ter sido o autor do pedido desta homenagem. Parabéns pelo seu bom exemplo e agradeço pela oportunidade de lhe conceder tal honraria”.

Guilherme Mannis

Por sua vez, o homenageado fez um discurso de agradecimento ao presidente Luciano Bispo em nome de toda a Assembleia Legislativa. “Nós somos um organismo de muitas cabeças, e cada uma delas é importante, com suas ideias, com tudo aquilo de bom que pode trazer com sua arte. Todos lá estudamos música e nossos instrumentos desde pequenos e temos uma enorme trajetória. Levamos toda esta carga de paixão pela arte para todos os ensaios e apresentações”, disse o Maestro, registrando a presença da spalla da Orquestra, Susan Rabelo.

Em seguida, Guilherme Mannis pontuou que, apesar dos 15 anos de trabalho, os desafios seguem diários. “Os músicos fizeram e fazem bonito, propiciando ao público, memoráveis temporadas de concerto. Nossa Orquestra rompeu as fronteiras do Estado, alcançando enormes sucessos de público e de crítica, em concertos em São Paulo (Sala São Paulo, Teatro Popular do Sesi e Festival de Inverno de Campos do Jordão), no Rio de Janeiro (Sala Cecília Meirelles), em Brasília (Teatro Nacional) e Curitiba (Teatro Guaíra)”.

Mannis disse ainda que Sergipe deixou de ser visto apenas como um Estado vocacionado para o turismo e belas praias, mas pelo celeiro de Cultura, de grandes pensadores e realizadores. “Muito há ainda de ser feito: pedimos e precisamos do apoio de toda a classe política para a estabilização mais efetiva da Orquestra Sinfônica por maior da institucionalização administrativa do grupo, do acréscimo de profissionais e da valorização da carreira de todos que a compõem. Agradeço, de coração, a todos que tiveram confiança no meu trabalho. Obrigado Sergipe pela vida que me proporcionou”.

Fotos: Alisson Pinheiro