Na manhã desta segunda-feira (17), aconteceu no plenário Pedro Barreto de Andrade, na Assembleia Legislativa de Sergipe, Audiência Pública com tema, “Participação da Mulher nos Espaços do Poder – A reforma que o Brasil precisa”.

A propositura foi de autoria da deputada estadual, Goretti Reis (DEM). O evento, em parceria da Procuradoria Especial da Mulher do Senado Federal e a Bancada Feminina do Congresso Nacional com o Senado Federal, visa à luta da mulher por mais espaço na política e pela ocupação de acentos nos parlamentos, em percentuais compatíveis com sua representação na sociedade, tendo como foco principal Reforma Política para que garanta medidas de ampliação da representação feminina nos parlamentos.

O lançamento em Sergipe reuniu o senado federal, com a participação das senadoras, Maria do Carmo Alves (DEM-SE) Titular da Comissão de Assuntos Sociais e Vanessa Grazziotin (PC do B-AM),Titular da Comissão Permanente Mista de Combate à Violência contra a Mulher (CMCUM), parlamentares estaduais, vereadores, o prefeito de Aracaju, João Alves Filho, entidades que militam da na área contra a violência da mulher e de gênero, e a sociedade em geral.

A mesa foi composta pelas seguintes autoridades, o presidente e deputado estadual Luciano Bispo (PMDB), deputada estadual e 2ª secretária da Alese, Goretti Reis (DEM), o prefeito de Aracaju, João Alves Filho (DEM), a senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE), a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM), a juíza Adelaide Oliveira, coordenadora da Mulher do Tribunal, a vereadora Daniela Fortes, representando a Câmara Municipal de Aracaju, Edivaneide Lima, coordenadora estadual dos Direitos Humanos de Sergipe, representando a Secretária do Estado da Mulher, Marta Leão, Adélia Moreira Pessoa, presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da OAB/SE e Janara Pereira, integrante do Núcleo Especializado de Direito da Mulher da Defensoria Pública de Sergipe.

De acordo com a deputada estadual, responsável pela audiência pública, Goretti Reis, essa é a chance de chamar a atenção para a importância do debate quando o assunto são as mulheres na política. Para ela uma oportunidade de ter a voz feminina, outro olhar, um contexto de sociedade, de família de todas as situações por qual passa o país. “Essa voz e essa presença dentro desse espaço, levam mais experiência para que, nós mulheres, possamos avançar na melhoria do nosso país”, ressaltou.

A presidente da Comissão de Assuntos Sociais, a senadora Vanessa Grazziotin, se mostra otimista em relação à aprovação da cota de gêneros, diferentemente da cota de 30% hoje existente, onde os partidos só colocam as mulheres para compor o quadro. Segundo ela, os 10% significam a cadeira eleita, o que pode aumentar efetivamente a participação das mulheres nos parlamentos. “Acho que esse 10% podem significar muito mais, porque infelizmente, o cenário político do Brasil no mundo é muito ruim”, revelou.

Já a senadora por Sergipe, Maria do Carmo Alves, ressaltou o objetivo da “maratona” que a procuradoria da Mulher está fazendo por todo o país. “Esse chamamento é para que a mulher se prepare, estude para enfrentar uma eleição. No senador somos 81 senadores apenas 10 mulheres e na Câmara Federal são 513 deputados e apenas 50 mulheres”, comparou acrescentando que, é preciso incentivar as mulheres a mudar a questão cultural do medo para enfrentar o homem, que por sua vez, também não querem ceder o espaço. “É um longo trabalho de educação que temos de fazer, mas a luta já começou e não deve parar”, concluiu.

Finalizando, o presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe, deputado Luciano Bispo disse que apoia a luta da reforma e o crescimento das mulheres na política brasileira porque entende que a mulher tem um papel fundamental não só na política, mas em todas as causas sociais.

 

 

 

Por Luciana Botto e Glice Rosa –  Agência de Notícias Alese