Por Ascom Parlamentar

 

A deputada estadual Kitty Lima (Cidadania) esteve reunida na manhã de ontem, 11, com o diretor-presidente da Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), Jefferson Feitoza, para discutir o fechamento do zoológico de Aracaju e a sua transformação em um Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), além da destinação dos animais abrigados hoje no local.

O encontro fez parte da frente de atuação da parlamentar que tem cobrado do Governo do Estado o fechamento definitivo do espaço para visitação e a sua transformação em um Cetas, com o intuito de atender a demanda dos órgãos ambientais que lidam diretamente com a captura, manejo e resgate de animais silvestres.

“Foi uma reunião bastante proveitosa e que só confirmou aquilo que venho cobrando há muito tempo, não há como continuarmos com o zoológico de Aracaju em funcionamento. O Jefferson se mostrou sensível a demanda que levei inclusive para fazer daquele espaço um Cetas do Governo do Estado. Estamos somando forças para por um fim definitivo ao zoológico e iniciar um novo projeto que irá beneficiar os órgãos ambientais e os animais silvestres”, explicou Kitty.

No mês passado, a parlamentar levou a problemática situação do zoológico da cidade para o governador Belivaldo Chagas, que se mostrou receptivo com a demanda. Na oportunidade, Kitty se comprometeu em intermediar ações que visem a execução de medidas emergenciais no local através dos contatos já construídos, incluindo o diálogo com a Central Elétrica de Sergipe S.A (Celse), que já recebeu um projeto produzido pelo mandato da parlamentar no qual está disposta a construção de um santuário ecológico onde atualmente funciona o zoo.

“Temos um projeto completo que será financiado pela Celse para transformarmos o zoológico em um Cetas, mas, para isso, precisamos antes fazer a destinação adequada dos animais que hoje estão abrigados por lá. O intuito é transferir os animais que não possuem condições de retornarem ao seu habitat natural para santuários, enquanto outros serão readaptados à natureza. Tudo isso deve acontecer antes do projeto sair do papel, e por isso estamos costurando uma rede para que tudo ocorra da forma mais correta possível e sem nenhum dano para os animais, principalmente”, colocou Kitty.