Por Habacuque Villacorte – Rede Alese

O deputado estadual Iran Barbosa (PT) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa, na tarde dessa segunda-feira (18), para contestar a Medida Provisória 905/2019 do governo federal que, segundo ele, representa o “retorno da selvageria no mundo do trabalho”. O petista entende que os direitos trabalhistas no País estão em risco e que torna desiguais as relações de trabalho.

Iran externou sua preocupação com a Medida Provisória dizendo que são diversas as manifestações contrárias dos mais variados setores, que tem caráter “anti-trabalhista” e que tem consulta aberta no Senado Federal sobre a medida. “Temos uma avalanche de manifestações contrárias a essa medida. É preciso destacar o ataque aos serviços sociais dos trabalhadores do INSS”.

O deputado colocou ainda que os trabalhadores estão preocupados com tudo o que está em jogo e as consequências dessa Medida Provisória para a classe, em especial, para a parcela da população que usa os serviços do INSS. “Essa MP é a continuidade da Reforma Trabalhista com mudanças drásticas, que o governo não conseguiu implementar e agora tenta uma retomada, com a ampliação do horário de trabalho para bancários e outros setores”.

Segundo Iran o governo quer criar um consenso entre os trabalhadores que o Brasil precisa de medidas que ajudem a melhorar a economia e ampliar os empregos e os postos de trabalho. “Nós que conhecemos a economia sabemos que a edição de uma MP não garante a ninguém a ampliação de posto de trabalho. Não é através de lei que se resolve isso!”.

Em seguida, o petista foi ainda mais duro e isso que “vivemos em um momento de total desregulamentação da vida dos trabalhadores. É o retorno da selvageria no mundo do trabalho! Essa MP é lesiva aos direitos dos trabalhadores e vai desequilibrar as relações de trabalho. É uma agressão absurda dos direitos dos trabalhadores. Como você vai fortalecer a economia e criar mais postos de trabalho aumentando a carga horária? O restante do mundo quer diminuir a jornada para distribuir melhor os postos! Aqui no Brasil caminhamos no sentido contrário”.

Foto: Jadílson Simões