Abrir novas frentes de atendimento para pacientes com câncer, propôr ações de prevenção mais efetivas nas redes públicas para os mais necessitados são algumas das propostas da presidente Secretaria Especial da Saúde da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale), deputada Goretti Reis (PMDB), reeleita para o segundo mandato na última sexta-feira (03), durante Assembleia Geral da Unale, ao fim da XX Conferência Nacional dos Legisladores (CNLE), ocorrida em Aracaju de 01 a 03 de junho, durante entrevista na manhã dessa terça-feira (07), na Rádio Liberdade FM.

Para Goretti, ter sido reconduzida à presidência da Secretaria da Saúde é o reconhecimento do trabalho que executou durante todo o ano. “Espero contribuir ainda mais para melhorar a saúde pública. Participei da discussão no Congresso Nacional da Proposta de Emenda Constitucional (PEC), 01/97, na qual demonstramos qual era o posicionamento e o ponto de vista dos deputados em relação ao financiamento da saúde. Em Fortaleza o seminário foi sobre o modelo assistencial na saúde, com a participação dos presidentes do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), e o Conselho Nacional dos Presidentes Estaduais e Municipais da Saúde (Conais), momento que demonstramos a união das forças com os parlamentares para encontrar alternativas da aprovação da PEC.

Mais contribuição dos recursos e financiamento da saúde são as outras propostas que a presidente da Secretaria Especial da Saúde da Unale pretende viabilizar. Para ela, a saúde está estrangulada e é preciso trabalhar com prevenção na atenção primaria. “O modelo assistencial do país está normatizado, deixa muitas falhas na saúde e é preciso pensar no cidadão. A discussão na Unale foi em torno do câncer nas Américas e o Zika Vírus. A forma de disseminação de ambas é uma preocupação mundial”, informou.

Ainda de acordo com a deputada, a atuação à frente a Unale é encontrar alternativas junto ao Conasems e o Ministério da Saúde para evitar mais estrangulamentos e tentar corrigir as fragilidades, em todo do país, mas principalmente em Sergipe. “O Hospital de Urgência de Sergipe não oferece suporte para atender todas as cirurgias. Se não tem estrutura precisamos resolver e regulamentar as demandas como reduzir as filas, e dar continuidade ao tratamento radioterápico. Precisamos ser eficientes nos serviços prestados à população”, afirmou.

Frente em Defesa da Mulher

A deputada Goretti Reis que também preside a Frente Parlamentar em Defesa da Mulher de Sergipe, falou sobre a importância das ações que tem desenvolvido e comemorou a informação que recebeu da secretária de Estado da Inclusão Social Marta Leão, que a Casa da Mulher Brasileira de Sergipe vai ser construída. “Em visita a instituição de Brasília que já está em funcionamento, vimos que a estrutura agrega todos os segmentos necessários para um bom atendimento a mulher vítima de violência. O projeto de Sergipe já está em andamento e esperamos contar em breve com o serviço em nosso estado”, observou.

A parlamentar citou como exemplo, mais uma vez, a violência brutal contra uma adolescente carioca de 16 anos que foi estuprada por mais de 30 homens. Para ela, a discriminação feita a mulher pela sociedade que julga a roupa e o comportamento devem ser combatidos e se não há consentimento se caracteriza violência. “Atos de violência devem ser combatidos desde a infância. A educação é uma aliada para mudar o conceito da sociedade para que as crianças não reproduzam a conduta presenciada numa família violenta. A frente parlamentar tem esse objetivo, esclarecer a mulher e a sociedade dos direitos e que deve ser feito para combater”, concluiu.

Por Ascom Parlamentar Dep. Goretti Reis – Cristina Rochadell