O deputado estadual Georgeo Passos usou a tribuna nesta segunda-feira para cobrar do governo do Estado explicações sobre como gasta uma receita que apresenta aumento. O parlamentar mostrou dados que revelam um crescimento do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias (ICMS), Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) e Fundo de Participação dos Estados (FPE) de 2014 para 2015 que soma R$ 290 milhões.

Georgeo disse que houve aumento de receitas nas três fontes, uma diferença de mais de R$ 100 milhões no ICMS, de R$ 25 milhões no IPVA e de R$ 156 milhões no FPE. “Se as receitas aumentaram, o governo precisa esclarecer como utiliza estas receitas. O governo Jackson Barreto não presta contas. O dinheiro foi mal utilizado”, argumentou o parlamentar, destacando o fato do Tribunal de Contas do Estado (TCE) ter aprovado as contas de 2013 com ressalvas.

“E deve ocorrer a mesma coisa com as contas de 2014”, afirmou Georgeo, que lamentou o fato do governo não aplicar recursos em áreas prioritárias, como a habitação. Segundo o deputado, o relator das contas, conselheiro Clóvis Barbosa de Melo, apontou essa deficiência em seu relatório. Georgeo destacou ainda o fato do governo estar atualmente com uma dívida de mais de R$ 5 bilhões. “O gasto com pessoal excedeu o limite prudencial e essa desobediência se repete desde 2011”, afirmou, alertando para o fato do TCE tomar a decisão de rejeitar as contas caso o problema com a folha não seja corrigido.

Lamentando o fato do líder do governo, Francisco Gualberto, não poder acompanhar seu pronunciamento, Georgeo disse que o colega não possuía argumentos para rebater seu discurso. O deputado também lamentou a postura do líder do governo, que na última participação na tribuna, respondendo as suas críticas, usou onze adjetivos para se referir a ele. “Fui chamado de mágico, irresponsável, leviano, equivocado, ilegítimo, entre outros, citou