Preocupado com os produtores do perímetro irrigado poção da Ribeira, pelo uso racional da água e bombeamento no período de estiagem, causado pelas altas temperaturas previstas para Sergipe, o deputado estadual Luciano Bispo (PMDB) e presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), iniciou sua agenda parlamentar, da manhã desta quinta-feira (05), reunindo-se com os produtores da Ribeira. O encontro contou com a presença do diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), Mardoqueu Bodano e do deputado estadual Zezinho Guimarães (PMDB), no gabinete da presidência, com o objetivo de buscar soluções para uma melhor utilização da água e energia sem prejudicar os produtores.

De acordo com Manoel Messias Menezes Costa, produtor da Ribeira do povoado Junco, do município de Areia Branca, disse que a sua região abastece Sergipe, Bahia, Alagoas e Pernambuco, com uma média de saída de 04 carros ao dia, e, com a interrupção da água aos domingos, proposta sugerida pela Cohidro, vai prejudicar toda a colheita, afirmou concluindo que se faz necessário molhar a produção de folhagem todos os dias.

Segundo Augusto César Rocha, gerente do perímetro irrigado da Ribeira, a proposta da Cohidro em diminuir 01 dia de irrigação no perímetro, surgiu a partir do aumento da tarifa de energia. Explicou que a Cohidro visando economizar, pensou em suspender o bombeamento de água aos domingos, a exemplo do perímetro de Itabaiana que já trabalha desta forma e com o funcionamento de 12h por dia, diferente da Ribeira que funciona 6h com turno de regra, salientou.

O diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), Mardoqueu Bodano, inicialmente elogiou a iniciativa de Luciano Bispo e disse que, com as altas temperaturas e a necessidade de economizar os custos energéticos com medidas emergenciais, ressaltou. “Estamos atravessando um momento em que a tarifa de energia para empresa está com um consumo muito alto. A equipe do governo solicitou da Cohidro uma solução, e estamos buscando isso”, afirmou.

Mardoqueu disse ainda que em constantes reuniões com a diretoria na tentativa de se buscar soluções, o que ficou acordado foi de se fazer um teste no período de 15 dias através do desligamento de irrigação aos domingos, assim como a realização de uma planilha de bombeamento, frisou.

O diretor da Cohidro em sua fala, explicou que as mudanças nos horários de bombeamento, deve acontecer da seguinte forma, começa mais cedo, termina mais tarde, ganhando uma pausa entre o final da manhã e o início da tarde, quando a temperatura estará mais alta. “Que fique bem claro, não estamos fazendo isso para prejudicar os irrigantes, estamos apresentando uma solução e fazendo uma avaliação que inclui também a recuperação e a limpeza de barragens , assim como a perfuração de poços para atender os sertanejos, garantindo a água não só para agricultura, mas para todos”, ressaltou Mardoqueu.

Para o deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe, Luciano Bispo, o diálogo é fundamental para o êxito das questões. Bispo defende a ideia de que o Estado não pode mais fornecer energia e água de graça, e que os produtores do perímetro da Ribeira precisam se organizar. De acordo com Bispo, “o mundo mudou, a energia está mais cara e água escassa, é preciso ter consciência e dar responsabilidade a quem de direito”, afirmou concluindo dizendo que “é preciso haver sensibilidade de todos- governo e produtores dos perímetros”.

PERÍMETRO IRRIGADO POÇÃO DA RIBEIRA
HISTÓRICO
O Perímetro Irrigado Poção da Ribeira é um projeto do tipo irrigação pública estadual, sem intervenção fundiária. Os estudos iniciais e o de viabilidade econômico e social da área foram realizados em 1984. O projeto executivo de irrigação ficou concluído em 1985, iniciando-se em seguida a implantação de obra que foi inaugurada em 1987. Considerado um grande centro produtor e distribuidor de hortigranjeiros.

RECURSOS HÍDRICOS
A área do subprojeto está totalmente contida dentro da bacia do rio Traíras e seus tributários afluente pela margem esquerda do rio Vasa Barris. Até a seção do rio Traíras, onde se localiza a barragem a área de drenagem é de 195 Km2.

Texto e foto: Luciana Botto –  Agência de Notícias Alese, com informações do portal Cohidro