/, Notícias, Últimas Notícias/Dia de Combate ao Feminicídio virou lei em Sergipe

Dia de Combate ao Feminicídio virou lei em Sergipe

Diante de dados alarmantes de violência doméstica e familiar contra a mulher, foi instituído no calendário de eventos do Estado de Sergipe o Dia Estadual de Combate ao Feminicídio. De acordo com Projeto de Lei nº 247 de autoria da deputada estadual Goretti Reis (PSD) a data será lembrada no dia 29 de julho, através de campanhas de sensibilização.

Conforme dados da Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACRIM), em 2017, Sergipe registrou mais de 40% dos homicídios de mulheres do que os dois anos anteriores. Em 2016 foram contabilizados 51 casos e em 2015, 62 mortes de mulheres.

“É possível dizer que toda semana uma mulher é assassinada no Estado. Em todo o país, a taxa de feminicídio é de 4,8 para cada 100 mil mulheres, a 5ª maior do mundo, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS)”, destacou a parlamentar. Goretti acrescentou que dados os números de casos registrados no Estado de Sergipe torna-se relevante a instituição da data, pois trata-se de uma data que consolida elevados números de casos ocorridos. “Este dia será símbolo da luta contra os crimes de gênero para que se possa conscientizar a população acerca dos elevados números de crimes praticados contra as mulheres em todo o Estado de Sergipe”, completou.

Estatísticas

Segundo informações disponibilizadas pela Coordenadoria da Mulher do Tribunal de Justiça (TJ/SE), 48% das mulheres agredidas declaram que a violência aconteceu na própria residência; 3 em cada 5 mulheres jovens já sofreram violência em relacionamentos; 77% relatam viver em situação de violência sofrem agressões semanal ou diariamente e mais de 80% dos casos, a violência foi cometida por homens com quem as vítimas têm ou tiveram algum vínculo afetivo.

Dados revelam ainda que a maioria das mulheres demora em romper o ciclo de violência por causa do risco de vida; medo da exposição da sua vida; acredita que conseguirá mudar o comportamento do parceiro; teme que os filhos a culpem pelo fim da união conjugal e da dependência afetiva ou econômica.

Por Kelly Monique – Rede Alese

 

2018-09-13T11:15:09+00:00 13 de setembro de 2018|Destaque, Notícias, Últimas Notícias|