Por Assessoria Parlamentar

Iniciativa das alunas do Colégio Atheneu Sergipense visa a construção de uma rede de apoio para aquisição e distribuição de absorventes para as alunas em situação de pobreza menstrual

A pobreza menstrual é o termo dado à situação de muitas meninas e mulheres que não têm acesso a recursos para cuidar da boa higiene e da saúde durante o ciclo menstrual. E o tema foi debatido na Assembleia Legislativa nesta quinta-feira, 14, entre o deputado estadual Zezinho Sobral (Pode), o presidente da Alese, Luciano Bispo (MDB), a vice-governadora Eliane Aquino (PT), o diretor do Centro de Excelência Atheneu Sergipense, Daniel Lemos, e as alunas Lenice Ramos e Laiza Martins. O objetivo do debate foi a criação do Projeto de Lei “Programa Absorvente é Direito”.

Uma pesquisa realizada por marca de absorventes em 2018 revelou que 22% das meninas entre 12 e 14 anos e 26% das adolescentes entre 15 a 17 anos não têm acesso a produtos de higiene apropriados durante o período de ciclo menstrual. Diante dessa problemática, a aluna do Centro de Excelência Atheneu Sergipense, Lenice Ramos, de 17 anos, fundou o projeto Atheneu ONU Mulheres. “Nós abordamos vários assuntos no projeto e um deles foi a pobreza menstrual. O nosso objetivo é que meninas se sintam motivadas e estimuladas a entender a política não como algo partidário, mas sim de cidadania”, contou a estudante que foi uma das quatro pré-selecionadas estaduais e ficou em segundo lugar no projeto Parlamento Jovem Brasileiro. “Estamos aqui para discutir a possibilidade de um Projeto de Lei que garanta a aquisição e a distribuição de absorventes para meninas e mulheres que não têm acesso”, complementa.

Ao ouvir as considerações das alunas, Zezinho Sobral destacou que elas são um exemplo para a juventude sergipana e o protagonismo desse projeto deve ser delas. “É um papel nosso criar um ambiente de viabilidade para dar solução a essa questão da pobreza menstrual, estudando o tema, conversando e dialogando com o Executivo para que tenhamos um caminho a ser seguido e garantir que o projeto seja aprovado e colocado em prática”, expressa o parlamentar.

“Tive a oportunidade de conversar com essas duas jovens que têm um belíssimo futuro em defesa da coletividade, com uma formação de política social muito importante, uma visão de futuro muito próspera. Precisamos aplaudir, apoiar e validar através de medidas efetivas. Defenderei esse projeto com muito orgulho e muita alegria que tenho certeza que ele virá”, conclui Zezinho Sobral.

O Projeto de Lei “Programa Absorvente é Direito” pretende levar informação a alunos acerca do assunto, independente do gênero, trazer protagonismo para a juventude, distribuir material informativo sobre a pobreza menstrual no Brasil, a construção de uma rede de apoio dentro da escola e aquisição e distribuição dos absorventes para as alunas que não têm condições de adquiri-lo.

“Lenice e Laiza se interessaram pelo tema através de uma aula de sociologia, do professor Yuri Noberto e, a partir disso, estudaram, aprofundaram e criaram o projeto Atheneu ONU Mulheres. Nós queremos que os estudantes tenham contato com esses problemas reais da sociedade e que não sejam passivos em relação ao que acontece e os atinge, também”, declara o diretor do Centro de Excelência Atheneu Sergipense, Daniel Lemos.

A vice-governadora Eliane Aquino, que levou ao parlamento a inquietação das estudantes, afirma que, enquanto gestora pública, é preciso olhar para a primeira infância e a adolescência com mais atenção. “O único sentido de estarmos aqui é a construção da base para que nossos jovens tenham uma vida melhor lá na frente. O mundo tem chamado atenção para esse problema e o governo do Estado de Sergipe tem toda a sensibilidade para ter esse olhar. Agora é encontrar os mecanismos financeiros para isso”, declara Eliane.

Foto: Divulgação Ascom