Por Habacuque Villacorte

O coordenador do Plano de Desenvolvimento Estadual Sustentável de Sergipe (PDES) 2020-2030 (fruto de uma parceria entre Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) e a Fundação Dom Cabral), Marcelo Barberino de Oliveira, acompanhou o presidente da Alese, deputado estadual Luciano Bispo (MDB), e também fez uma exposição sobre o PDES para os membros do Fórum Empresarial de Sergipe, que estão dispostos a se aprofundar e participar da efetivação do Plano.

Para os empresários, Marcelo Barberino apontou algumas potencialidades identificadas no Estado pelos técnicos da Fundação Dom Cabral. “Temos algumas atividades potenciais em Sergipe na indústria têxtil, com artefatos de couro, sem contar na Agricultura e Agronegócio o destaque do milho, laranja, cana-de-açúcar e do coco, do abacaxi, banana, manga e batata doce; mas temos um gargalo: a falta de logística do Estado, a dificuldade no escoamento do que se produz”.

Marcelo Barberino: “demanda reprimida”

Barberino enalteceu a cadeia extraordinária que é o turismo, destacando a capacidade de absorção de mão de obra. “Essa cadeia precisa ter um olhar muito próximo de todos os entes do Estado, pela rápida absorção e rápido retorno, sem contar que temos uma grande demanda reprimida, quando as pessoas vão voltar a viajar, já vacinados. É foco no turismo de negócios, cultural e ecológico”.

O coordenador enfatiza a oportunidade que Sergipe tem com esse setor, localizado entre o eixo Bahia-Alagoas. “Agora é preciso ficar bem estruturado, capacitado, desde o taxista que recepciona o turista até aquele guia que o conduz pelos quatro cantos do Estado. Se não houver essa rede integrada, com o poder público acompanhando e integrando, nós vamos perder uma grande oportunidade”.

Por fim, Marcelo Barberino considera como as “cerejas do bolo” para a efetivação do Plano a transformação digital e a governança. “Isso aqui não é um plano de gaveta! Isso não pode parar aqui! Nós precisamos formalizar um pacto por Sergipe! Se antes era uma suposição, hoje nós temos uma base! Não podemos perder mercado! Sobre a governança nós precisamos do Estado e todos os municípios, criando um trade amplo, com um olhar empresarial, tornando o Estado pujante e pronto para atrair essa demanda reprimida pela pandemia”.

Fotos: Joel Luiz