Como forma de homenagear lutadores sergipano que tenham contribuído para a promoção da cultura afro-brasileira, a Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) criou a Comenda Senador Abdias Nascimento. De autoria da deputada estadual Ana Lúcia, o Projeto de Resolução que cria a comenda, foi aprovado pelos parlamentares sergipanos na manhã desta quarta-feira, 18. A partir de 2016, a comenda deverá ser entregue anualmente no Dia Nacional da Consciência Negra, 20 de novembro.

Ana Lúcia justificou a escolha do nome de Abdias Nascimento para ser o patrono da comenda explicando que ele foi um grande artista engajado, militante social de vanguarda, intelectual renomado internacionalmente, pan-africanista, militante trabalhista, político e parlamentar. “O nome de Abidas foi uma indicação do conjunto de militantes do movimento negro sergipano”, reforçou a escolha.

Abdias Nascimento viveu, acompanhou e ajudou a construir quase um século de lutas ao longo da história moderna do Brasil, explicou a autora da resolução. Ela contou ainda que Abdias resistiu e enfrentou duas ditaduras, participou de momentos de construção e reconstrução da nossa democracia, sempre defendendo a justiça, os direitos humanos e a igualdade racial.

Abdias Nascimento tem vasta produção, mas todas a sua atuação convergiu para um único sonho, uma única luta: defender a liberdade de negros e negras no Brasil. Seu papel protagonista e corajoso de desafiar a elite deste país foi tão importante, que sua luta e sua história se confundem com a história do movimento negro no Brasil”, justificou a parlamentar.

História de luta

Abdias foi artista plástico, escritor, teatrólogo e ator. Criou o Teatro Experimental do Negro (TEN), método que une a atuação política à afirmação da cultura de origem africana através do teatro. O TEN revelou o potencial cênico dos atores e atrizes afrodescendentes, abrindo espaço para eles na dramaturgia.

Atuou também como jornalista em diversos veículos de comunicação alternativos, advogou pelos direitos trabalhistas de empregadas domésticas e em defesa de políticas públicas afirmativas para a população afrodescendente, já na década de 1940. Ele lutou ainda pela inclusão de políticas públicas para a população afrodescendente durante a Assembleia Nacional Constituinte de 1946 e foi um dos articuladores do Movimento Negro Unificado (MNU), entidade que até hoje atua politicamente em defesa da igualdade racial em todo o Brasil.

Sua militância antiracista o levou à institucionalidade política, pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), tendo sido o primeiro deputado federal afro-brasileiro a dedicar seu mandato à luta contra o racismo, entre 1985 e 1987. Foi também Senador da República, em 1991 e depois entre 1996 e 1999; secretário de Defesa e Promoção das Populações Afro-Brasileiras do Rio de Janeiro, durante o governo de Brizola, e, mais tarde, Secretário Estadual de Cidadania e Direitos Humanos.

Por Ascom Parlamentar Dep. Ana Lúcia (Débora Melo)

Foto: Ascom Parlamentar