O  conselheiro estadual de Saúde e presidente da Associação de Renais Crônicos e Transplantados do Estado Sergipe (ARCRESE), José Lúcio Alves Costa, recebeu a denúncia de que estaria faltando eparina, medicação fundamental para os renais crônicos que estão sendo dialisados no Hospital de Urgências de Sergipe (Huse). José Lúcio foi ao hospital para apurar a denúncia e convidou a deputada Sílvia Fontes, presidente da Comissão de Saúde da Assembléia Legislativa de Sergipe (Alese) para participar da ação, ocorrida na manhã desta sexta-feira, 6.
Na chegada ao Huse, o primeiro setor vistoriado foi o Centro de Nefrologia Dr. Lucilo Costa Pinto, inaugurado ontem. “Este setor não poderia ser inaugurado da forma em que se encontra. A obra não foi completamente concluída, existe fios soltos, trechos com poças d’água. Chega a ser uma irresponsabilidade inaugurar este setor com a estrutura não finalizada. Principalmente quando se fala em Saúde, uma inauguração como esta gera uma expectativa na população, quando na verdade o serviço não está apto a ser ofertado neste espaço”, constatou Silvia.
Quanto a denúncia sobre a falta das eparinas foi constatado que houve a aquisição de 479 ampolas da medicação, o que deve garantir o estoque do medicamento para atendimento nos próximos dez dias.  A direção do Huse assegurou que uma nova solicitação deve ser encaminhada antes do término deste estoque.
Diariamente uma média de 40 procedimentos de hemodiálise são realizados no Huse pela Cenefro, empresa contratada há 10 anos para prestar atendimento aos crônicos renais do SUS no Estado.
Aderbal Brito, coordenador administrativo do Huse disse que o novo centro de nefrologia do hospital deve efetivamente passar a funcionar dentro de 10 dias úteis. “Creio que neste prazo faremos a transferência dos equipamentos e pacientes do centro em que provisoriamente está instalada a Cenefro para o novo centro de nefrologia”, garantiu o coordenador.
Vinícius Vilela, coordenador do Pronto Socorro da unidade hospitalar disse que a inauguração do espaço físico, foi decisão do centro administrativo do hospital. “A parte da hemodiálise está bem adiantada, o que ainda está em atraso é o setor dos leitos. Quanto ao funcionamento dos elevadores do setor, já foi licitado o serviço para o conserto, fator condicionante para funcionamento desta unidade”, explicou.
Segundo o gerente de manutenção do Huse, Ivânio dos Santos Melo, a empresa contratada para executar o conserto dos elevadores deve concluir o serviço no prazo máximo de um mês.
“Foi muito importante a presença da deputada nesta vistoria onde constatamos de perto a realidade do centro de nefrologia recém-inaugurado. A partir da vistoria tivemos uma reunião com a superintendência do hospital, onde foi estabelecido prazos para que de fato o novo centro passe a funcionar atendendo as necessidades dos pacientes. Além disso, pudemos cobrar que o estoque da medicação necessária  ao atendimento dos pacientes seja mantido”, destacou o presidente da Arcrese, analisando a participação da deputada nesta visita ao Huse.
Por Ascom Parlamentar