Aconteceu na tarde dessa quarta-feira, (11), com o objetivo de estabelecer um diálogo inter-religioso com diversas vertentes religiosas, a Audiência Pública “Liberdade Religiosa: Por um Estado Laico, Justo e Igual”, no plenário da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese).

Com a propositura da deputada estadual Ana Lúcia, (PT), o evento contou com a presença de lideranças de diversas religiões. Para a parlamentar, a proposta é discutir o tema, com espaço aberto a representantes de todas as religiões. “Temos uma lei que estabelece 21 de Novembro como Dia de Combate a Intolerância Religiosa, estamos no mês da consciência negra e uma das religiões que mais sofre discriminação é exatamente a religião afro-descendente, o Candomblé, que é umbanda”, argumentou a petista que também é vice-presidente da comissão de Direitos Humanos da Alese.

O babalorixá da religião Culto Afros, José dos Santos pede respeito como cidadãos e seres humanos afrodescendentes. “Para nós é um momento que a gente pode manifestar as nossas necessidades, gostaríamos de outros eventos como este”, disse.

Segundo o Babalawo, professor e conselheiro estratégico do Centro de Articulações das Populações Marginalizadas (CEAP), Ivanir dos Santos a discussão é mais um passo importante contra o preconceito, o sentimento de ódio. “A intolerância não é divina. Isso é do ser humano que não é cristão. A pessoa que persegue, estigmatiza e cria estereótipo para perseguir um grupo religioso, isso no Brasil é considerado crime. Não concordar é diferente de não respeitar. Religioso é aquele que ama, que é solidário. Discutir um tema que cresce em todo o Brasil, que inclusive tem gerado muita vítima, é de fundamental importância”, finalizou.

Na oportunidade, foi formalizada a criação de uma Frente Parlamentar em Defesa do Respeito Religioso, sempre em busca de um diálogo fraterno e respeitoso, fazendo com que todas as religiões tenham o mesmo espaço para diálogo com a sociedade.

Por Tiffany Tavares –  Agência de Notícias Alese

Foto: Luciana Botto