Quem ouviu a entrevista do deputado estadual Venâncio Fonseca (PP) logo cedo, na manhã desta terça-feira (20), no programa de Gilmar Carvalho [MixFM, Aracaju], percebeu que ele voltou com todo gás. O parlamentar fez contraponto à entrevista do vereador Elber Batalha, do PSB, que ontem atacou o deputado federal André Moura (PSC). Aliás, a turma do PSB não tem rádio e nem jornal, mas abusa da internet e dos espaços onde consegue entrevistas para detonar André, que agora passou a ser um político “defeituoso”.

“Sinto muita tristeza”, disse Venâncio ao definir a onda de ataque do PSB a André. O deputado do PP lamentou o fato de há pouco tempo, quando estavam todos no palanque de Valadares Filho, na eleição de 2016, o mesmo PSB que fez um acordo com André e com Eduardo Amorim (PSDB), depois endossado por Edivan Amorim (PRB), hoje esqueça do que foi previamente acertado. “Não quer cumprir o acordo, não cumpra. Para mim não é novidade”, disse Venâncio.

De fato, Venâncio relatou que já sabia que o tal acordo não seria cumprido. “Eu cantei a pedra, eu dizia ‘olha, isso que foi feito agora não será cumprido’, e o que a gente hoje vê é justamente isso”, completou. Venâncio também lamentou o jogo político dos Valadares. “Não queira botar a culpa nos outros [por não querer cumprir o acordo], não queira desqualificar o outro. Nunca vi em lugar nenhum do Brasil, só aqui em Sergipe, alguém ser criticado por ajudar seu estado”.

Para Venâncio, a dor dos Valadares é porque a maioria dos prefeitos, incluindo Edvaldo Nogueira (PCdoB) – e até o governador Jackson Barreto (MDB) – hoje reconhecem o trabalho de André. “Vamos deixar de fazer essa política com ‘p’ minúsculo. A crítica vem só do PSB. É uma ação orquestrada, com escalação toda semana de alguém para falar mal. Em 2016, não olharam que ele era líder de Michel Temer? Agora André e Temer não prestam? Esses que estão criticando Temer, quem colocou ele lá? Foi o voto dos dois Valadares, que tiveram participação no impeachment de Dilma. Ou já esqueceram que foram tachados pelos petistas de golpistas?”

“Parem de querer botar defeitos nos outros, como se no PSB só tivesse santos, só tivesse ‘papas franciscos’. Ficam se achando santos e tacham os outros de demônio. Tem de ter respeito pelos outros, tem de fazer política com ‘p’ maiúsculo. Querer ser candidato falando mal dos outros, não vale. Criticam Temer, mas votaram nele para derrubar Dilma. Criticam o governo de Jackson, mas estavam lá até bem pouco tempo, inclusive com a indicação de Belivaldo Chagas (MDB) para vice, que hoje não vale nada, porque não quis votar em Aécio Neves em 2014. Passou a não prestar e até a ser humilhado”.

“Com os Valadares”, diz Venâncio, “quando você tem uma opinião divergente, a pessoa passa a não prestar, e é assim, é? Agora mesmo, na denúncia da compra de voto da PGR, só citaram um, André. Esqueceram o deputado Luciano Pimentel (PSB), que é uma boa pessoa e está sendo também acusado injustamente, mas só falaram de André. Até Eduardo esqueceram”. Ele finalizou dizendo que na oposição os Valadares são vistos como cristãos-novos. “Eles ainda estão em estágio probatório”, ironizou.

Por Assessoria Parlamentar