Por Aldaci de Souza

Além da aprovação de indicações, deputados se pronunciaram tanto na tribuna quanto de forma remota na sessão desta terça-feira, 27. O deputado Iran Barbosa (PT), lamentou a venda do campo de petróleo no município de Carmópolis através da Petrobras.

Iran Barbosa lembrou que o campo petrolífero de Carmópolis é histórico

“Lamento profundamente a forma como nós estamos simplesmente entregando o patrimônio do povo brasileiro ao mercado. Estou perplexo com o anúncio feito, de venda do campo de Carmópolis pela Petrobras. Isso pra nós tem um significado muito duro, pois é um campo histórico de petróleo, que desde a década de 60, vem produzindo de forma efusiva aqui em Sergipe”, afirma.

Iran Barbosa acrescentou que o campo vem produzindo de forma efusiva no estado e agora se vê incluído num pacote de vendas.

“Tratam agora o patrimônio dos brasileiros como uma mercadoria simples que pode ser colocada dentro de um pacote e entregue a preço de bananas, pois anuncia-se que a venda pode chegar a 1 bilhão de reais, mas vemos que os valores pelos quais se vende o patrimônio do povo brasileiro, são ridículos”, enfatiza.

MPE

O deputado Georgeo passos (CIDADANIA) destacou as eleições para procurador do Ministério Público Estadual.

Georgeo comemora decisão sobre eleições do MPE

“Foi aprovado projeto de lei complementar nesta Casa tratando de mudanças nas regras para eleição de procurador geral de justiça do Ministério Público de Sergipe. No momento, fizemos uma defesa contrária apontando uma série de irregularidades, mas o plenário deliberou e virou lei. No entanto, a Associação Nacional dos Membros do Ministério Público, não satisfeita com essa lei que restringia a capacidade dos promotores serem candidatos a procuradores, ingressou com ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal”, relembra.

Georgeo Passos disse ainda que foi concedida uma liminar suspendendo os efeitos de parte da lei. “E no dia de ontem foi finalizado o julgamento e por um placar de 6 x 4, o STF referendou a decisão pela inconstitucionalidade da lei aprovada nesta Casa e com isso, no próximo dia 30 teremos eleição no Ministério Público do Estado e os promotores e procuradores poderão se candidatar”, comemora.

Mudando de assunto, o deputado lamentou um episódio envolvendo o radialista Carlos Magalhães.

“Temos uma eleição que se aproxima com os candidatos buscando eleitores, mas algumas coisas fogem da decência e dos limites. Num programa eleitoral, foi citado o Sr. Carlos Magalhães, o ícone do rádio sergipano que aos 82 anos disputa uma vaga para a Câmara Municipal de Aracaju. Não é a primeira eleição que disputa e foi utilizado o seu nome para atingir a candidatura da delegada Danielle Garcia, atacando o nome desse sergipano de Propriá que eleva o nome de Sergipe e merece respeito. O nosso repúdio a quem fez um vídeo denegrindo desnecessariamente a imagem do Magá”, enfatiza.

Segurança

Goretti cobra segurança para a Praia da Cinelândia

A deputada Goretti reis (PSL) reivindicou segurança para os frequentadores da Praia da Cinelândia. “Estão acontecendo homicídios com muita frequência naquela região da Passarela do Caranguejo, conhecida como a Cinelândia e a pessoas estão preocupadas e é um cartão postal relativo ao turismo, mas tem sido palco de pontos de drogas”, afirma.

Goretti solicitou um policiamento mais ostensivo no local. “Esse policiamento é importante porque do sábado à tarde até a madrugada da segunda-feira, tem sido palco de violência. Também chamamos a atenção da prefeitura para a colocação de barracas desordenadas na areia, sem padronização”, acrescenta.

Falta de alimentação

Capitão Samuel diz que presos estão morrendo de fome

O deputado Capitão Samuel Barreto (PSC), criticou a falta de alimentação nos presídios e solicitou a votação de uma indicação de sua autoria, solicitando a presença do secretário de Justiça, Cristiano Barreto e do secretário de Administração e Gestão Pública, George Trindade para discutir a questão.

“Os presos acusados e outros condenados estão cumprindo as medidas judiciais cabíveis, mas não podem morrer de fome nos presídios. Quem está lá dentro tem uma família chorando aqui fora, vendo os presos passar fome por causa da falta de licitação visado melhorar a alimentação. A empresa fornece o almoço para as delegacias e sistema prisional a 2 reais e 20, jantar a 2 reais e café da manhã a 2 reais”, destaca acrescentando ser impossível cobrar esses valores, sendo uma condição para a desclassificação da empresa em um processo licitatório.

Capitão Samuel disse lembrou que a situação piorou quando foram retiradas as cozinhas dos presídios. “O secretário de justiça já disse que o problema todo começou quando tiveram que tirar as cozinhas por determinação judicial e a situação se complicou pois os presos faziam as próprias comidas que vão se alimentar. Desde que me conheço por gente a comida é feita pelos presos e ninguém nunca morreu envenenado”, observa.

Fotos: Jadilson Simões