No grande expediente desta terça-feira, 17, a deputada Silvia Fontes (PDT) chamou a atenção para a questão da superlotação na Maternidade de Alta Complexidade Nossa Senhora de Lourdes, em Aracaju. A parlamentar, que é presidente da Comissão de Saúde da Assembléia Legislativa de Sergipe disse que recebeu uma denúncia sobre a situação e que pôde constatar que a Promotoria de Saúde do Ministério Público do Estado foi apurar a situação e deve tomar medidas.

“Na segunda-feira tomei conhecimento que Maternidade Nossa Senhora de Lourdes estava com uma superlotação absurda, podendo inclusive, causar graves problemas, situações até mesmo de óbitos pela superlotação. Todos nós sabemos que esta maternidade, apesar de ser de alta complexidade é também porta aberta para receber outras gestantes mesmo que não seja um parto de alto risco. Já iríamos hoje mesmo fazer uma visita à maternidade, mas tomamos conhecimento que o Ministério Público Estadual constatou essa superlotação que coloca em risco iminente estes bebês, mesmo assim não iremos nos furtar de fazer essa visita, nesta quarta-feira”, enfatizou Sílvia.

A parlamentar lembrou ainda que durante alguns anos foi assessora de imprensa da maternidade Hildete Falcão Batista, quando esta ainda era de alto risco e conhece muito de perto a realidade de uma UTI neo-natal, uma UTIN, e por isso sabe o quanto é extremamente preocupante a situação da Maternidade Nossa Senhora de Lourdes com a superlotação.

“Quando o secretário Almeida Lima assumiu a secretaria de Saúde há um ano e quatro meses, ele disse que uma das primeiras providências que tomaria era aumentar os leitos, sobretudo na área da obstetrícia. Porque essa demora toda? Faremos a visita a Nossa Senhora de Lourdes, mas também a Hildete Falcão Batista para saber porque esse atraso na sua reforma, quando sabemos que o tal ‘Taj Mahal’ teve em quatro ou cinco meses as suas obras concluídas”, pontuou a deputada.

Fontes disse ainda que vai buscar saber, in loco, detalhes sobre a execução das obras de reforma e ampliação da Hildete Falcão Batista, o quanto foi gasto até agora e qual a previsão para o término das obras.  “Tem situações que são desumanas, que pegam a gente de uma maneira! Vamos procurar soluções, nessa área não dá para esperar, o bebê que quer nascer, não espera. Em outras áreas, até se pode dar um jeitinho, mas quando se fala de saúde, precisamos de urgência e ter mais sentimento de humanidade”, encerrou a deputada.

Por Assessoria Parlamentar