No último dia 17 de agosto foi comemorado o Dia Nacional do Patrimônio Histórico. Um mês para ser comemorado, que ficará para a história, já que nesta quarta-feira, (24), o Estado de Sergipe agora conta com mais dois novos patrimônios culturais: O antigo Engenho Camaçari, localizado na cidade de Itaporanga D’ajuda e o Grupo Folclórico Batalhão de Bacamarteiros de Aguarda, do município de Carmópolis.

Além disso, o dia 01 de agosto de 2010, também tem um marco, quando  a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) concedeu o título de Patrimônio Histórico da Humanidade, à Praça São Francisco, localizada em São Cristóvão, a quarta cidade mais antiga do Brasil, situada também no Estado de Sergipe.

O Engenho Camaçari e o Batalhão de Bacamarteiros foram aprovados pelo Conselho Estadual e Cultura (CEC) durante o final do mês de julho e inscritos no Livro do Tombo, nessa quarta-feira, (24), pela diretoria do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural (DPHAC).

Que tal conhecer um pouco da história de ambos?

Engenho Camaçari

Conjunto do antigo Engenho Camaçari, Itaporanga D'Ajuda (SE). Foto: Secult SE

Conjunto do antigo Engenho Camaçari – Itaporanga D’Ajuda (SE). Foto: Secult SE

A Fazenda onde funcionou o antigo Engenho Camaçari, tombada através do Decreto 30.280, de 29 de julho de 2016, detém referencias sobre a história política, econômica e cultural de Sergipe. O local remete ao período colonial, de formação territorial e cultural do Estado, compondo ainda a rede de propriedades voltadas para a produção açucareira do Nordeste, preservando tradições, usos e costumes de várias gerações.

Nomes da nobiliarquia e da política sergipana, do período imperial ao republicano, estão ligados a propriedade, a exemplo de Domingos Dias Coelho e Mello, Barão de Itaporanga, Antônio Dias Coelho e Mello, Barão de Estância e Arnaldo Rollemberg Garcez. Os familiares remanescentes preservam no interior da fazenda sede, na Capela, um rico acervo envolvendo documentação fotográfica, mobiliário e objetos decorativos de épocas distintas, bem como um acervo de arte sacra expressivo.

A Casa da Sede é uma edificação que ao longo dos anos passou por reformas, se caracteriza como construção da primeira metade do século XX, modelo de residência da fazenda destinada à criação de gado. Já a Capela, que está localizada em um ponto elevado da propriedade se destacando na paisagem, é a edificação mais antiga do conjunto, e sua construção remete ao século XVIII.

Bacamarteiros

Grupo Folclórico Batalhão de Bacamarteiros - Carmópolis (SE). Foto: Secult SE

Grupo Folclórico Batalhão de Bacamarteiros – Carmópolis (SE). Foto: Secult SE

Também aprovado pelo CEC, através do Decreto nº30.281, de 29 de julho de 2016,  o Governo de Sergipe passa a reconhecer o Grupo Folclórico Batalhão de Bacamarteiros de Aguada, do Povoado Aguada, município de Carmópolis, como Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial do estado.O grupo surgiu por volta de 1780 nos engenhos de cana-de-açúcar do Vale Cotinguiba, onde os negros brincavam samba – de roda e atiravam bacamarte, arma artesanal fabricada pelos próprios negros.

O Batalhão de Bacamarteiros é a maior manifestação cultural do município de Carmópolis e uma das principais expressões culturais de Sergipe. Até hoje, todos os instrumentos musicais, os bacamartes e a pólvora são fabricados pelo próprio grupo. Para a confecção dos instrumentos musicais é usada á medeia do jenipapo, árvore frutífera da região, couro de animais e sementes. O Batalhão de Bacamarteiros do Povoado Aguada é a prova viva da herança africana deixada na região do Vale da Cotinguiba, com dança e música inconfundíveis.

 

Por Tíffany Tavares – Agência Alese de Notícias, com informações da Secult SE