Por Habacuque Villacorte

O deputado estadual Samuel Carvalho (Cidadania) participou da Sessão Extraordinária Remota da Assembleia Legislativa, na manhã dessa terça-feira (4), para contestar a justificativa do colega deputado Capitão Samuel (PSC), que discorda da instalação de uma CPI da Covid-19 na Alese, alegando que a CPI da Pedofilia (presidida por Samuel Carvalho) findou sem qualquer conclusão e que a defesa da atual é apenas “para fazer barulho”.

Por sua vez, Samuel Carvalho foi para a tribuna e disse que não apenas referendava sua assinatura a favor da CPI da Covid, como também reforçou que o trabalho de fiscalização é um dos papéis do parlamento. “O deputado Capitão Samuel disse que não conhece uma CPI que deu certo, e eu lhe cito, por exemplo, a CPI da Pedofilia no Senado Federal, que resultou em muitas coisas boas no nosso Brasil, que prendeu muita gente sobre um assunto que mais parecia uma caixa de pandora”, defendeu.

Em seguida, o deputado também citou a CPI da Pedofilia na Câmara Distrital em Brasília (DF), que também obteve alguns êxitos. “O deputado Capitão Samuel era o relator da CPI e vem dizer que não foi convidado para participar? Me desculpe mas isso é justificativa para não assinar a CPI da Covid! A CPI não é minha ou de outros parlamentares, e sim da Casa! E se não houve reunião, por que o Capitão Samuel não solicitou?”, questionou.

Tentar colocar a responsabilidade toda no presidente da CPI é algo que não cola! Tem que ter cautela e apostar no mesmo sucesso das CPIs do Senado e de BSB. Protocolamos o requerimento em agosto de 2019, se passaram três meses para ele ser lido até que ela fosse formalizada no final de novembro. Em dezembro não havia clima porque a gente estava discutindo a Reforma da Previdência. Depois veio o recesso e quando retomamos explodiu a pandemia”, detalhou Samuel Carvalho.

Por fim o deputado disse que com a pandemia, com as pessoas mais recolhidas em casa, o risco de casos de abusos contra crianças voltaram a aumentar e não há nada que impeça que a Alese dê continuidade à CPI da Pedofilia. “Estamos preocupados também com as pessoas morrendo, vítimas da COVID. Temos que fazer o nosso papel, temos que investigar. O hospital de Campanha, por exemplo, só serviu durante a campanha eleitoral? E a distribuição de cestas básicas? Tudo precisa ser bem apurado”.

CPI em Socorro

Muito questionado pelo fato de o Cidadania não ter assinado a CPI da Covid em Nossa Senhora do Socorro, Samuel Carvalho explicou que já são seis assinaturas e que falta apenas uma para a CPI ser instalada. “A polêmica com o Cidadania é porque o vereador Alex Neguinho ganhou a eleição pelo nosso partido, mas é afilhado de Zé Franco. Ele não participou de nenhum ato da nossa campanha para prefeito e nem pediu voto para nós”.

Alegando que não tem acesso ao vereador de Socorro, Samuel Carvalho explicou que no estatuto do Cidadania não se tem “fechamento de questão”. “Ninguém impõe uma posição de cima para baixo! Prevalece a responsabilidade de cada parlamentar. Fui cobrado pelo colega deputado Gilmar Carvalho, pela não assinatura de Alex Neguinho do Cidadania, mas a vereadora do PL eleita no nosso agrupamento, que é ligada a ele, poderia assinar também”.

Orlinha do Porto Grande

Samuel Carvalho ainda detalhou a viagem que fez para BSB, na semana passada. “O senador Alessandro Vieira já disponibilizou R$ 1 milhão para a obra da Orlinha do Porto Grande, em Nossa Senhora do Socorro, via Codevasf. Esse é um sonho antigo daquela comunidade, que vai impulsionar o turismo local, gerando emprego e renda. Fui solicitar o apoio da senadora Maria Carmo (DEM) sobre a possibilidade de ela assegurar mais R$ 1 milhão para a gente garantir todo o recurso necessário para a obra. Infelizmente já tivemos recursos do BID, mas por incapacidade, o dinheiro foi devolvido”.

Foto: Jadílson Simões