Não há registros oficiais de todos os casos de crianças desaparecidas no Brasil, e isto ocorre devido a falta de informação sobre o assunto. A estimativa do Governo Federal são 40 mil crianças todo ano, mas o número é muito maior. Não exitem campanhas esclarecedoras que ensinem os pais como agir no momento em que o seu filho desaparece, e esta falta de conhecimento piora ainda mais a recuperação da criança num tempo hábil.

O tráfico de crianças por quadrilhas que atuam em território nacional e internacional, aliciam ou sequestram crianças para fins de venda de órgãos, trabalho escravo infantil, prostituição infantil e adoção ilegal é a maior incidência de desaparecimentos.

Além dessa, outras causas, colaboram para o desaparecimento, são eles: crimes de pedofilia (estupro, a grande maioria com morte); fuga de casa devido maus tratos dos pais; prostituição infantil; mendicância e dependência química.

Buscas em Sergipe

A Delegacia Especial de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) é a unidade da Polícia Civil de Sergipe responsável pelo Serviço de Localização de Crianças e Adolescentes Desaparecidos. Os policiais ajudam a encontrar jovens afastados do lar e orientar pais e responsáveis sobre como evitar casos desta natureza. O trabalho da unidade consiste em registrar e investigar o desaparecimento de garotos e garotas e dar apoio às familias.

Qualquer parente pode comunicar de imediato o desaparecimento de uma pessoa em qualquer município de Sergipe. Para isso, basta ir à delegacia da Polícia Civil mais próxima levando uma foto e documento do desaparecido. Já nos casos que envolvem crianças e adolescentes, a ocorrência é encaminhada à Depca, em Aracaju, e comunicada ao Conselho Tutelar da cidade.

Confira os passos de como agir quando uma criança desaparecer

Por Glice Rosa – Agência Alese de Notícias

Fontes: Desaparecidos do Brasil/ SSP-SE