Projetos buscam aproximar a cultura sergipana dos moradores do estado

Publicada: 01/08/2022 às 14:49

28/7/2022

Por Wênia Bandeira/Agência de Notícias Alese

A Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), através de sua diretoria de Comunicação, mantem diversos projetos culturais. O objetivo é aproximar a cultura sergipana dos moradores do estado para difundir a educação através da arte.

Entre os projetos estão ‘Mestres da Cultura Popular Sergipana’, ‘Essa é a minha arte’, ‘Essa é minha terra’, ‘Essa é minha gente’ e ‘Essa é minha rota’. Cada um tem um tema diferente para garantir que todos possam ter acesso ao que Sergipe oferece.

O diretor de comunicação da Alese, Irineu Fontes, falou que a ideia é valorizar este trabalho que é desempenhado pelo povo e que se torna herança de família, passando entre todas as gerações, em todas as idades.

“O estado tem mais de 170 grupos de cultura popular com seus mestres e precisa conhecer essa cultura. É uma das mais ricas do país em um estado tão pequeno. São os mestres da cultura que equilibram e passa entre seus entes, de pai para filho, para netos. A Assembleia, visando valorizar toda essa cultura, criou esses projetos para apresentar para as pessoas”, disse.

Para o professor da área de cultura da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Fernando Aguiar, os projetos culturais da Alese são o cumprimento da obrigação em relação à população sergipana que tem o direito de ter acesso aos trabalhos desenvolvidos pelo estado.

“A importância reside em um compromisso/devolutiva à sociedade dos registros da memória, da divulgação e visibilidade dos saberes e fazeres e das potencialidades e identidades de nossa gente. Mais que isso, a Casa da Democracia de Sergipe cumpre seu papel em valorizar a nossa terra, estreitando as distâncias entre as suas ações e a sociedade. Ganhamos todos nós”, afirmou.

O professor explicou que a cultura está além de uma visão romântica de ser a alma do povo. Ele disse que se trata de uma ferramenta identitária de circulação de saberes, renda, fomentos, empreendimentos e inovações.

Fernando Aguiar salientou que a cultura é uma fonte econômica e, por este motivo, falta ao Estado, através de suas instituições operacionais, modelos de gestão que revertam o sentido dos usos da cultura em geração de renda, projeção, ampliação do pertencimento e estratégias de circularidade de saberes e fazeres como condição de bem viver, desenvolvimento e progresso.

“Pensar a Cultura através de uma visão consolidada de desenvolvimento através de modelos de gestão cultural é, na atualidade, o meio para alavancar o turismo, a economia local, o direito das cidades e Estado à memória, potencializar inovações, cujos frutos sinalizarão para grandes realizações e desenvolvimento”, falou.

Segundo o professor, o trabalho realizado pela Alese valoriza a cultura e aqueles que fazem cultura. Esta valorização, de acordo com ele, está precisando de uma maior efetividade em outros setores do poder público, com a realização de projetos pensados com antecedência.

“Infelizmente a Cultura e a Gestão Cultural em Sergipe encontram-se à mercê dos improvisos e sem uma perspectiva racional de gestão. Quando os governantes entenderem que Cultura é fator de desenvolvimento, renda e projeção econômica e política ganharemos todos nós, os governos e o próprio Estado”, declarou.

Como funcionam os projetos

O Mestres da Cultura Popular Sergipana busca mostrar as manifestações populares que estão presentes em todos os municípios. Cada grupo tem seu mestre, que é a referência, dotada de talento e conhecimento para conduzir o grupo, além de ser responsável por transmitir a arte para as próximas gerações.

O Essa é minha arte publica o trabalho feito pelos artistas presentes em todas as cidades, como um agente transformador, seja ele músico, poeta, escritor, artesão, esportista ou quaisquer pessoas que domina uma arte e é referência na cidade. Às vezes, é uma exímia cozinheira, uma rezadeira poderosa ou uma parteira. Esses artistas costumam ser conhecidos em suas comunidades, mas a Alese quer fazer o estado ter conhecimento.

O Essa é a minha terra mostra, em alguns segundos, aspectos históricos, geográficos ou pitorescos dos municípios sergipanos. São informações curtas que valorizam e mexem com a autoestima do cidadão sergipano.

O Essa é minha gente mostra os moradores de cada cidade contando suas histórias. A ideia é dar voz aos habitantes que se propuserem a contar a história do seu município sob a perspectiva da população.

O Essa é minha rota destaca o turismo em Sergipe. São lançadas edições, com dez municípios cada, que trazem vídeos de construções e monumentos históricos, assim como belezas naturais, a exemplo de cachoeiras, grutas, rios e outros pontos atrativos de cada cidade.

Foto: Sebrae-SE

Outras notícias para você