Movimento negro em Sergipe é destacado na Alese com homenagem a Severo D’Acelino

O movimento negro no Estado de Sergipe foi destaque no plenário da Assembleia Legislativa, com a entrega da Comenda Senador Abdias Nascimento ao poeta, dramaturgo, ator, compositor, contista, pesquisador conferencista, coreógrafo e coordenador Geral da Casa de Cultura Afro Sergipana, Severo D’Acelino. A propositura é da deputada Ana Lúcia Vieira (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alese.

Luciano Bispo e a esposa Roseli Andrade recepcionaram o homenageado

Luciano Bispo e a esposa Roseli Andrade recepcionaram o homenageado

“A Comenda Senador Abdias tem muito a ver com a vida de Severo. Ele também foi um grande militante da causa, além de um grande intelectual que trabalhou o teatro e cultura para fazer exatamente a interlocução com toda a sociedade brasileira, mostrando a importância de toda a cultura afro-descendente para o enfrentamento de uma questão tão séria no nosso país que é o preconceito racial”, ressalta a deputada Ana Lúcia.

 

 

A deputada explicou que a outorga é uma honraria do Poder Legislativo Estadual. “ O objetivo é homenagear pessoas que se dedicaram à luta contra o preconceito racial em Sergipe, como forma de prestar reconhecimento e incentivar a defesa dos direitos da população negra no Estado e a promoção da cultura afro-brasileira”, explica destacando que além de proeminente militante do movimento negro e ativista dos direitos civis, Severo é fundador do Movimento Negro contemporâneo de Sergipe, Bahia e Alagoas. Artista engajado, Severo utilizou, ao longo das últimas décadas, as mais diversas linguagens artísticas para promover a cultura afro-brasileira e ajudar a romper os paradigmas do preconceito racial”, enfatiza.

Dupla homenagem

Composição da mesa

Composição da mesa

Na ocasião, Severo D’Acelino destacou se tratar de uma homenagem dupla com um significado muito positivo. “Isso nos dá muito mais responsabilidade do que tínhamos quando começamos e o processo da continuidade histórica. Abdias como pacificador, como legislador, como ator e sobretudo, o ativista da América Latina. Ele está exatamente no patamar de todos os homens, da resistência negra do tipo Mandela, Luterking e a nível de América Latina, o Abdias é a expressão negra da resistência”, afirma.

Suprapartidário

 

Deputada Ana Lúcia faz discurso emocionado

Deputada Ana Lúcia faz discurso emocionado

“A honra é comensurável e eu estou aqui num processo suprapartidário como foi Abdias Nascimento. Ele não fez o movimento negro de partido e através do exemplo dele, o PT e outros partidos colocaram no seu conteúdo, o processo do movimento negro, que faz com eu a gente tenha uma maior dinâmica de liberdade de expressão. A gente quer que nos próximos períodos a instituição brasileira esteja engajada na luta pela preservação da cultura negra no Brasil e pela valorização do negro na sociedade, sobretudo aqui em Sergipe, porque somos 86% do conjunto da população absoluta. Portanto, o negro tem que ter visibilidade e a gente agradece essa expressão e esse momento da Assembleia Legislativa de Sergipe e a coragem dessa mulher, a deputada Ana Lúcia”, completa.

 

Familiares acompanham vídeo sobre D'Acelino

Familiares acompanham vídeo sobre D’Acelino

Ainda no evento, a vice-prefeita de Salvador, Célia Sacramento, destacou a luta por uma vida sem racismo. “Essa é uma das mais justas homenagens pois estamos no mês da Consciência Negra e Severo como tantos outros, é responsável pelo movimento em prol da luta por uma vida sem racismo. Precisamos que todos os dias sejam da Consciência Negra, para que sejamos respeitados independente da cor da pele. Severo D’Acelino é o verdadeiro herdeiro da luta dos nossos antepassados e continuamos lutando por uma condição de maior aceitação social. Nós não baixamos a nossa cabeça nunca, estamos sempre lutando de cabeça erguida pela valorização dos excluídos, independente da nossa cor de pele. Continue edificando e representando, Aracaju, Sergipe, a Bahia e Brasil”, diz.

Homenageado

Severo D'Acelino iniciou o discurso com um poema de José Régio

Severo D’Acelino iniciou o discurso com um poema de José Régio

José Severo dos Santos é filho de Acelino Severo dos antos e Odília Eliza da Conceição. Oriúndo da etnia nagô dos canaviais de Riachuelo e Santa Rosa de Lima, da linha direta de “Mãe Elisa”, a maior Yalorixá de Sergipe. Sergipano de Aracaju, é casado com Maria José Porto dos Santos, com quem teve dois filhos: Obanshe Severo D’Acelino e Porto e Yanzamé Porto Severo Bainbridge. Avô de Maria Rita Porto Severo Bainbridge.

 

 

Estudioso das culturas e tradições negras da diáspora, em especial das culturas afrosergipanas, Severo D’Acelino é referência nacional por sua trajet

[oria de formação intelectual e de intervenções nas atividades culturais de Sergipe. Com forte atuação nas artes, Severo  é escritor, ator, poeta, dramaturgo, coreógrafo e diretor teatral. Destaca-se como fundador em 1968 do Gupo Regional e Folclore e Artes Cênicas Amadorista Castro Alves e em 1973, introduziu o teatro de rua em Sergipe. Dirigiu mais de dez peças teatrais e espetáculos de dança.

Vice-prefeita de Salvador (à direita), prestigiou o evento

Vice-prefeita de Salvador (à direita), prestigiou o evento

Escreveu dois livros de poemas: Panáfrica África Iya N’la e Quelóide. Atuou nos filmes Chio Rey e Espelho D’Água; na minissérie Tereza Batista Cansada de Guerra e agora em 2016 atuou na novela Velho Chico, .

É ativista dos Direitos Humanos e fundador do Movimento Negro de Sergipe em 1969 e membro-fundador do Movimento Negro da Bahia em 1978. É fundador e coordenador da Casa Cultura Afrosergipana. Na atuação política, Severo D’Acelino é ex-conselheiro do Memorial Zumbi, ex-conselheiro municipal de Cultura de Aracaju, coordenador do Projeto João Mulungu vais às escolas.

 

Severo enfatiza a luta do senador Abdias

Severo enfatiza a luta do senador Abdias

Em 2001, recebeu a Medalha do Mérito Cultural Inácio Barbosa, da Prefeitura de Aracaju; em 2002 recebeu o Título de Cidadania na Câmara de Vereadores de Laranjeiras; em 2004, recebeu a Medalha do Mérito Cultural, pela Secretaria de Estado da Cultura. É detentor do troféu Luso-brasileiro de Curta Metragem de Sergipe 2004. Há 50 anos trabalha em torno das questões sociais, políticas e educacionais direcionadas à causa do negro.

Mesa

Na solenidade, a composição da mesa foi feita pelo presidente da Alese, Luciano Bispo, deputados Georgeo Passos (PTC) e Ana Lúcia (PT), a superintendente executiva da Secretaria de Estado da Mulher, Inclusão e Assist~encia Social, do Trabalho e dos Direitos Humanos, Roseli Andrade (esposa do presidente da Alese) e a vice-prefeita de Salvador (Ba), Célia Sacramento (PPL).

Integrantes do Movimento Negro em Sergipe

Integrantes do Movimento Negro em Sergipe

Autoridades, familiares e amigos de Severo D’Acelino acompanharam atentos ao discurso do homenageado que iniciou com o poema Cântico Negro, de autoria de José Régio, pseudônimo literário de José Maria dos Reis Pereira.

Deputados Antônio dos Santos (PSC), Samuel Barreto (PSL), Maria Mendonça (PP) e Goretti Reis (DEM), também prestigiaram a homenagem.

 

“Vamos continuar combatendo esse mal que é o racismo, em todo o país”, finalizou o presidente da Alese, Luciano Bispo, parabenizando o homenageado e agradecendo a presença de todos.

A solenidade foi abrilhantada pelo coral da Alese e pelo som de atabaques.

Por Agência de Notícias Alese

 

 

Outras notícias para você