Maria Mendonça repudia bloqueios e cortes sucessivos sofridos por universidades públicas

Publicada: 07/12/2022 às 13:22

Por Assessoria Parlamentar

Parlamentar destaca que três mil estudantes da UFS podem ficar sem bolsas e auxílios em dezembro, e classifica contingenciamentos como absurdos

A deputada estadual Maria Mendonça (PDT) repudiou veementemente os diversos bloqueios e cortes impostos às universidades públicas pelo Governo Federal, através do Ministério da Educação (MEC). O contingenciamento promovido pela pasta chegou a R$ 244 milhões, colocando em risco o funcionamento das instituições federais de ensino superior do País. Na Universidade Federal de Sergipe (UFS), o acumulado de perdas chega a cerca de R$ 10 milhões no orçamento previsto para 2022, conforme informou a universidade.

Ela destacou que, segundo a instituição, pelo menos três mil alunos de graduação e pós-graduação podem não receber bolsas e auxílios no mês de dezembro devido a novos bloqueios, além de afetar o funcionamento dos Restaurantes Universitários, impactando mais de seis mil discentes. “Isso é um completo absurdo. É um descaso com a ciência e a educação superior pública brasileira, a qual sempre defendi e respeitei. A quantidade de estudantes que podem ficar sem bolsa e auxílio é muito preocupante. É um recurso imprescindível para permanecerem na universidade, e que precisa ser garantido”, frisou Maria.

A parlamentar lembrou que os cortes e bloqueios sucessivos podem inviabilizar o funcionamento da instituição, alerta que dirigentes de universidades de todo Brasil têm feito ao longo de todo o ano. “A universidade pode ficar sem dinheiro para pagar serviços básicos, como água e energia, além do pessoal terceirizado. É um cenário verdadeiramente revoltante. Presto minha solidariedade a todos que compõem a UFS, uma instituição que colabora de maneira inestimável para o desenvolvimento socioeconômico do Estado e para a vida do povo sergipano”, afirmou.

PRESTÍGIO AMEAÇADO

Maria Mendonça ressaltou que a UFS está entre as melhores universidades do Brasil, sendo a melhor do Nordeste, de acordo com o Times Higher Education (TES), um dos principais ranqueamentos de instituições de ensino superior do mundo. Ela apontou que os sucessivos cortes do Governo Federal ameaçam travar contribuições valorosas da universidade ao Estado de Sergipe. “Mesmo diante de supressão orçamentária, a UFS luta e consegue enormes vitórias, mas tem sido cada vez mais ameaçada. Lembremos: sem educação e ciência, não há amanhã possível”, salientou.

Foto: Jadilson Simões/Alese