Após a temporada de recesso, os deputados estaduais retomaram os trabalhos legislativos na tarde dessa segunda-feira (15), com a presença do Governador Jackson Barreto (PMDB) e os secretários estaduais.

 

Antes do início da sessão plenária, o Governador Jackson Barreto, fez uma visita de cortesia ao presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), em seu gabinete, o deputado Luciano Bispo (PMDB) e adiantou o assunto que seria a base para o discurso de prestação de contas à Casa Legislativa, a crise que atinge o mundo desde 2008 aflinge o Brasil e Sergipe.

 

Os aliados reconheceram que  a crise financeira e, consequentemente, as dificuldades que o estado enfrentou em 2015 deve continuar em 2016. “Infelizmente é um efeito dominó. Enquanto o país não se reerguer financeiramente não teremos estabilidade, mas, apesar de tudo, o Governo de Sergipe conseguiu ultrapassar as barreiras, mantendo as obras, atraindo novos investimentos e pagando os salários dos servidores públicos”, relatou o Governador.

 

Para Jackson Barreto a vinda do Poder Executivo a Alese é uma prova de respeito ao Poder Legislativo, de compreensão, de agradecimento pelo diálogo que tiveram em 2015 e o apelo para que em 2016 continue o mesmo nível de entendimento entre os poderes.

 

O Governador adiantou ainda que até amanhã haverá o anúncio de novos nomes para a mudança no secretariado.

 

O presidente da Alese agradeceu a visita do governador Jackson Barreto à Alese, e ressaltou que a parceria dos poderes legislativo e executivo é fundamental. “A Alese tem feito uma trabalho excelente junto ao governo e entendemos que será um ano de crise financeira, de dificuldades, mas por incrível que pareça, a única solução imediata para a situação é a Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF). É um momento de calma e de somação para que esse Estado seja governado, acrescentou.

Bispo ok (1)

Finalizando Luciano Bispo agradeceu aos colegas pelo empenho nos trabalhos no ano de 2015 e acrescentou que 2016 será um ano difícil. “É preciso a somação dos poderes para que o Estado de Sergipe possa ser governado da melhor maneira possível”.

Por Glice Rosa – Agência Alese de Notícias