O deputado estadual, líder do Governo do Estado, Francisco Gualberto (PT), na última sessão plenária da 18ª legislatura realizada sexta- feira, 15 de dezembro, argumentou a respeito do PL 248/2017 de autoria do Poder Executivo, aprovado por unanimidade, onde gerou polêmica, no sentido de que inclui a obrigatoriedade do governo estadual estabelecendo limitação, por dois anos, do crescimento anual das despesas primárias correntes. Ou seja,  congela gastos e investimentos em áreas sociais, incluindo salário de servidores.

Segundo o parlamentar,  a proposta é positiva para a população. Ao final da votação, Francisco Gualberto disse à #RedeAlese que teve que abrir mão do seu pensamento, da sua concepção, de algo que é contrário, voltando seu olhar para a coletividade, em  benefício de  Sergipe, justificou.

De acordo com Gualberto, o resultado da votação deste projeto de lei reflete na vida das pessoas, no funcionamento de um Estado.  “Nós temos que trabalhar outra forma de resistir, mas neste momento é suicídio para qualquer Estado entrar embaixo desse trator que vem atropelando a todos, levando para o fundo do poço”, explicou acrescentando “no Brasil, esse congelamento dos investimentos em áreas sociais é de 20 anos. Temer tem a legitimidade da lei que congela por 20 anos os investimentos em áreas sociais. E por conta dessa lei vieram outras: as que impõem aos estados as condições para renegociar suas dívidas”.

 

Por Agência de Notícias Alese

Foto: Jadilson Simões