Lei aprovada na Alese institui Campanha de Conscientização sobre Câncer de Ovário

9/5/2022

Por Júnior Matos/ Agência de Notícias Alese
Com informações do Inca

Foi aprovada no ano de 2020, a Lei Estadual nº 8.745. De iniciativa da ex-deputada estadual Diná Almeida que instituiu a Campanha Estadual de Prevenção e Combate ao Câncer de Ovário, no Estado de Sergipe. A ação deve ser realizada anualmente no mês de maio. O objetivo é desenvolver ações e divulgar informações sobre os sintomas, causas e as formas de tratamento do Câncer de Ovário, com o intuito de reduzir suas incidências. “ É preciso estimular ações educativas por parte dos diversos segmentos sociais e instituições públicas que envolvam a prevenção do Câncer de Ovário”, justificou a ex-deputada Diná Almeida no texto da lei.

A Lei prevê ainda que, toda pessoa com diagnóstico de câncer de ovário deve receber acolhimento humanizado, respeitoso, e receber o tratamento em ambiente adequado.

Incidência

O câncer de ovário geralmente não tem sintomas nos estágios iniciais. Em fases mais avançadas estão associados a sintomas como: dores na região do abdômen ou pélvis, podendo ocorrer em alguns casos perdas de apetite e peso.

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) o número de casos câncer de ovário no Brasil em 2020, 6.650. Já o número de mortes devido a número de mortes associadas a doença teve o total 3.921, segundo Atlas de Mortalidade por Câncer, no mesmo período.

O câncer de ovário é o segundo tipo de tumor ginecológica mais comum, atrás apenas do câncer do colo do útero. E o terceiro tipo de câncer que mais acomete as mulheres, atrás de mama e de colo de útero, respectivamente.
Recomendações e tratamento

Fatores como: idade, sistemas reprodutivos e hormonal, história familiar, excesso de gordura, casos da doença na família e genética aumentam a predisposição de algumas mulheres para este tipo de câncer.

O recomendado pelas autoridades médicas é que as mulheres devem estar atentas aos fatores de risco, manter o peso corporal saudável e procurar consulta médica regularmente, principalmente a partir dos 50 anos.

A detecção precoce pode ser feita por meio da investigação com exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos, de pessoas com sinais e sintomas além do rastreamento para a doença .

O câncer de ovário pode ser tratado com cirurgia ou quimioterapia. O tratamento depende do estágio da doença na paciente e avaliação da equipe médica.

 

Foto: Pixabey

Outras notícias para você