Para entender melhor sobre o projeto que tem como objetivo criar um concurso nacional para a escolha de uma nova letra para o Hino de Sergipe que o deputado Moritos Matos (Rede Sustentabilidade) participou de uma reunião nesta sexta-feira, 20, com o reitor da Universidade Tiradentes – Unit -, professor Jouberto Uchôa de Mendonça. A iniciativa de mudar se deve aos seguintes fatores: muito extenso, são 36 versos em nove estrofes, difícil de ser cantada, sílabas repetidas em várias notas e alguns apontam que o hino seja plágio da ópera de Rossini, ‘A Italiana em Argélia’. “O que o projeto quer é que os sergipanos tenham conhecimento do Hino e que possam viver aquilo que o hino expressa – a sergipanidade. E mais que ele seja cantado nas escolas”, ressalta o deputado Moritos Matos.

Reitor da Unit recebeu o deputado e assessores

Reitor da Unit recebeu o deputado e assessores

A sugestão do professor Uchôa é que a Academia Sergipana de Letras leve ao Governador do Estado, a solicitação de um ato transformando o atual atual Hino de Frei José de Santa Cecília e letra de Manoel Joaquim de Oliveira Campos em Hino do Sesquicentenário e em seguida, abra um Concurso Nacional para a escolha do novo hino, oferecendo um prêmio ao projeto vencedor. Esse projeto será avaliado por uma comissão formada por 21 membros com as seguintes especialidades: historiador, poeta maestro, professor de português, compositor, representante da Academia Sergipana de letras, dos Conselhos de Cultura e Educação, do Governo do Estado, da assembleia Legislativa, do Poder Judiciário e do Ministério Público.

E o professor Uchôa relata que outro hino já sofreu alteração.”Eu quero lembrar que o Hino Nacional foi mudado três vezes. E que a iniciativa de alterar o Hino de Sergipe é para que os jovens conheçam o hino, que sejam mais civilistas, porque só se ama o que se conhece”, explica Uchôa  .

O Projeto ainda precisa ser apresentado para a apreciação dos deputados estaduais e o professor Uchôa espera que isso aconteça ainda este ano. “Esse projeto não compromete e não vai onerar nenhum setor. Sem custo para o Estado. O prêmio seria conseguido através da contribuição de empresas. Caso aprovada a ideia a Universidade Tiradentes participaria de uma cota”, ressalta o reitor da Unit, professor Jouberto Uchôa.

Assessoria de Imprensa do Parlamentar
Foto: Andréa Oliveira