A longa estiagem que afeta o semiárido causa sérios problemas no abastecimento de água. Luiz Carlos, coordenador de preservação e revitalização de mananciais da Deso, e coordenador geral do Fórum Nacional de Bacias Hidrográficas, disse à TV Alese que Sergipe, a exemplo dos estados da região Nordeste, enfrenta um período de grave escassez hídrica. Segundo ele, não há chuvas e por isso não tem sido possível atender as demandas como irrigação, consumo humano e até mesmo consumo dos animais. “A prioridade tem sido o consumo humano, conforme prevê legislação federal e estadual”, explicou.
Luiz Carlos disse que têm ocorrido problemas porque muitos donos de terras, por onde passam rios e riachos, acham que a água é de sua propriedade e fazem reservatórios, e essa água não pertence a nenhum proprietário de terras. “Essa é uma cultura que a gente tem que lidar. O fórum vem identificando isso em vários municípios, o que causa também problemas para a Deso, pois os rios estão com vazão de água reduzida”.
O coordenador do Fórum declarou ao Alese Notícias que vários órgãos se reuniram e de forma conjunta têm feito mediação de conflitos com produtores que utilizam água para irrigação, fazendo entender que é preciso prevalecer o que está na lei. “Os usuários irrigantes têm que reduzir o uso da água, que traz vida, e precisamos cuidar dela quando há abundância. Achamos que ela nunca vai acabar. O cuidado tem que ser adotado antes que a crise hídrica se instale e infelizmente a sociedade não adota esse cuidado”, observou Luiz Carlos.
Segundo o coordenador do Fórum Nacional de Bacias Hidrográficas, os municípios estão de fora das discussões e é lá que devem começar os cuidados. Ele explica que a gestão é dos estados e da União, mas essa gestão precisa começar nos municípios. “O comitê das bacias sente falta dos entes municipais nesses cuidados, para que a água se torne um bem de todos. O rio São Francisco está sendo penalizado nesse momento com a redução da vazão adotada pela Chesf e isso vai afetar as demandas em Sergipe. O pouco que nós temos precisa ser bem gerenciado”.
O Fórum Nacional de Bacias Hidrográficas representa os 233 comitês das bacias brasileiras. A entidade discutiu recentemente a redução de vazão do Rio São Francisco e a definição da programação do Encontro Nacional de Comitês de Bacias de 2017. Luiz Carlos lembra que o intuito do Fórum é fortalecer a gestão de recursos hídricos, discutir políticas de água e principalmente construir o Encontro Anual de Comitês de Bacias (Encob) que em 2017 acontecerá em Brasília.

 

Texto: Agência Alese de Notícias

Foto: Jadilson Simões