Por Assessoria Parlamentar

O deputado estadual Georgeo Passos (Cidadania) usou a tribuna da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), na manhã desta terça-feira (30), para mais uma vez criticar os serviços oferecidos pelo Ipesaúde em Sergipe. De acordo com o deputado, as reclamações dos usuários do Ipes acerca da dificuldade na marcação de consultas e exames aumentaram bastante desde o ano passado.

“Sabemos que no ano passado, devido a pandemia, as coisas estavam mais difíceis. Mas agora que os índices estão menores, não dá mais para aceitar. As reclamações dos usuários estão aumentando bastante. A situação está insustentável e nós precisamos fazer algo sobre essa questão já que os usuários estão pagando caro e em dias por um serviço e não estão tendo o devido retorno”.

“Não existe inadimplência dos usuários em relação ao Ipesaúde, afinal o dinheiro é descontado todo mês do salário do servidor. Além disso, o Ipes é o único plano de saúde que recebe 13 parcelas, pois o valor mensal também é descontado do 13º salário do usuário. O dinheiro sai do salário do servidor e vai para o Ipes, mas não sabemos como é o trajeto desse pagamento até as clínicas. Talvez muitas estejam também com os pagamentos atrasados”.

Georgeo relembrou que protocolou um requerimento de convocação direcionado ao antigo presidente para que ele prestasse esclarecimentos aos deputados sobre o funcionamento do Ipes e que agora vai reapresentar esse ofício sendo direcionado ao novo diretor-presidente George Trindade para que ele explique o porquê de a dificuldade dos usuários em poder utilizar os serviços ofertados pelo Ipes.

“Nós aprovamos alguns projetos aqui na Alese para melhorar o fluxo de caixa do Ipes e desta forma aprimorar o funcionamento na Instituição. E nada disso aconteceu. Então, nós precisamos saber exatamente o que está acontecendo e por isso vamos protocolar um novo requerimento direcionado ao atual diretor-presidente George Trindade. Esperamos que este documento seja votado o mais rápido possível”.

O deputado também revelou que solicitou informações sobre as receitas do Ipes e descobriu que de 2017 até agosto de 2021, o faturamento da instituição foi acima de um bilhão de reais. “O dinheiro está entrando na conta do Ipes, recurso tem em caixa, mas infelizmente a prestação dos serviços é muito insuficiente. Então, esta Casa não pode se ausentar desta discussão”.

Foto: Jadilson Simões