Por Assessoria Parlamentar

Na manhã de hoje (15), o Deputado Estadual Dilson de Agripino (sem partido) participou da abertura da reunião do Conselho Deliberativo da FETASE – Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Sergipe no Centro de Treinamento da entidade.

“A FETASE é uma casa que respeito pois conheço de perto a luta dos agricultores e agricultoras do nosso Estado. Todos sabem que nasci na roça, com um pai que trabalhava no campo. E, até hoje, convivo nessa realidade.”, comentou Dilson de Agripino na abertura do seu discurso.

Os dirigentes da FETASE estavam reunidos para organizar o Congresso Estadual dos Trabalhadores na Agricultura, como também, para discutir as medidas necessárias de enfrentamento e combate a MP 871/2019 e os pontos negativos que ela traz, tanto no que se refere à retirada de direitos de segurados do INSS quanto aos prejuízos aos servidores do Instituto.

“Desde quando foi publicada a Medida Provisória, venho acompanhando todas às discussões e debates do governo e das entidades sociais sobre os possíveis ganhos e perdas que a Medida impõe. Entendo, de forma literal, que a medida tem o principal objetivo de prejudicar e complicar às formas como os trabalhadores do campo se aposentam hoje, principalmente na exigência de considerar o Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS – Rural) como principal e única prova de reconhecer os direitos dos trabalhadores, instituindo o prazo de 1º de Janeiro de 2020 como prazo inicial. Por isso, estou aqui para me colocar à disposição da Federação para que possa representá-los na luta ao lado da classe política, tanto na ALESE quanto junto aos Deputados Federais e Senadores em Brasília, para que possamos criar uma agenda e pressionarmos o Governo Federal até o recuo de algumas medidas impostas pela MP, já que ela não contempla as principais propostas que são necessárias para a vida e aposentadoria do Agricultor.”, falou o Deputado Dilson durante seu discurso.

Além disso, Dilson de Agripino disse que é muito importante que a FETASE e demais instituições que defendem o homem do campo no Estado de Sergipe, neste momento, se unam e criem uma única pauta de discussões em torno da Medida Provisória e criem debates e encontros com a população, para que toda sociedade entenda os malefícios que a medida impõe.