A deputada estadual Ana Lúcia ocupou a tribuna na manhã desta terça-feira, 13, para registrar que o Governo do Estado encaminhou à Assembleia Legislativa de Sergipe uma Emenda restituindo 31 milhões que haviam sido retirados do Orçamento da Educação para o ano de 2017. Porém, ressaltou a deputada, a restituição não se deu nos dois elementos de despesas essenciais para 2017: merenda escolar e valorização dos professores e funcionários, grandes gargalos da educação.

“No próximo ano, os professores e funcionários não vão aceitar esse congelamento que levou a uma pauperização violenta de todos os que constroem a educação no chão da escola pública”, alertou a parlamentar. “É inconcebível que a nação brasileira pague cem mil reais a um juiz, a um desembargador, a um ministro, e pague três mil a um professor, a quem forma essa nação. Não podemos aceitar isso”, completou, indignada.

Ana Lúcia apresentou o exemplo da cidade de Sobral como experiência exitosa no campo da política de educação, ressaltando que a gestão municipal investe de forma sistemática em valorização dos professores – que chegam a ter como salário base entre três e quatro mil reais – na formação continuada dos profissionais da educação e na articulação de políticas.

“Espero que os novos gestores dos municípios sergipanos respeitem os estudantes, respeitem os professores e que o governo do Estado abra o diálogo com as categorias. E diálogo não é receber fisicamente os sindicatos. Diálogo é escutar as categorias, seja os professores e professoras, seja os estudantes, seja seus pais. Escutar é perceber o que eles estão dizendo e dar resposta aos problemas enfrentados por eles”, ressaltou, apresentando suas expectativas para o ano de 2017.

Brasil contra a PEC 55

Após criticar fortemente a PEC 55 e a Reforma da Previdência, Ana Lúcia convidou a população a ocupar as ruas na tarde desta terça-feira, 13, quando será realizado um ato público contra as medidas. Realizada pela Frente Sergipana Brasil Popular, a manifestação acontece às 15h, na Praça Camerino.

“Estamos vivendo um processo de destruição do Estado brasileiro para atender ao capital internacional, para atender o que o capital norteamericano quer: o Pré-Sal, mais juros, a riqueza desta nação, enfraquecer os BRICs e fragilizar a democracia no Brasil e em todo o continente latinoamericano”, resumiu.

“Infelizmente Sergipe tem três senadores que votam hoje, em segunda instância, em favor da PEC 55”, lamentou afirmando que, se a proposta for aprovada, a população vai continuar nas ruas para reverter essa medida nefasta no Supremo Tribunal Federal.

 

Por Assessoria Parlamentar

Foto: Jadilson Simões