Dia de São Gonçalo é celebrado nesta terça-feira, 10

Publicada: 09/01/2023 às 11:00

Por Aldaci de Souza – Agência de Notícias Alese

O Dia de São Gonçalo do Amarante é celebrado anualmente em 10 de janeiro, principalmente por seguidores da religião católica, em homenagem ao santo padroeiro dos ossos e das pessoas que buscam casamento. No Estado de Sergipe, a tradição da dança de São Gonçalo é mantida nos municípios de Laranjeiras, Itaporanga D’Ajuda,Pinhão, Poço Verde, Riachão do Dantas, São Cristóvão e Simão Dias.

Em novembro de 2022, os deputados aprovaram na Assembleia Legislativa de Sergipe, o Projeto de Lei nº 270/2022, que institui no âmbito da Administração Pública Estadual, o Programa de Registro de Patrimônio Vivo da Cultura Sergipana, a chamada Lei dos Mestres. Com isso, os mestres da Cultura Popular passam a receber uma bolsa vitalícia no valor de dois salários mínimos. Entre os sabedores e fazedores, estão os mestres do São Gonçalo.

A dança em homenagem à São Gonçalo do Amarante é tradição entre os laranjeirenses. De acordo com a lenda, o santo teria sido um marinheiro que tirou muitas mulheres da prostituição, através da música alegre que fazia com a viola. A dança é acompanhada por violões, pulés (instrumentos feitos de bambu), e caixa. O último instrumento é tocado pelo “patrão” – homem vestido de marinheiro, numa alusão a São Gonçalo do Amarante. A manifestação cultural foi preservada pela comunidade quilombola da Mussuca, localizada em Laranjeiras.  O grupo é formado basicamente por homens, tendo como característica a louvação ao santo e ao pagamento de promessas. Eles se vestem de mulher, representando as prostitutas. 

Gonçalo de Amarante nasceu no fim do século XII em Tagilde, na freguesia de São Salvador, no distrito de Braga, em Portugal. Sob a orientação do Arcebispo de Braga, se dedicou ao estudo da Teologia e ao sacerdócio. Depois de formado, passou 14 anos viajando pela Terra Santa, no Oriente Médio, e depois voltou para Portugal, onde se retirou como eremita na região de Amarante. 

Morreu em 10 de janeiro de 1259  na sua cabana de orações e foi sepultado no mesmo local, onde se construiu um grande mosteiro em homenagem à sua alma.

Foto: Arquivo Alese