Deputado Iran Barbosa denuncia arrocho do salário mínimo brasileiro

Por Assessoria Parlamentar

Os trabalhadores brasileiros iniciaram mais um ano amargando a política de arrocho e perda do poder aquisitivo no valor do salário mínimo. Diante desse cenário, o deputado Iran Barbosa (PT) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe (Alese), nesta terça-feira, 4, para denunciar a situação e lamentar que o valor do salário mínimo para 2022, mais uma vez, não incorpore qualquer ganho real.

O parlamentar explicou que desde o dia 1º de janeiro deste ano, de acordo com a Medida Provisória n° 1.091, de 30 de dezembro de 2021, publicada no Diário Oficial da União que circulou no último dia do ano passado, o salário mínimo passou a vigorar com o valor de R$ 1.212,00.

Acontece que o novo valor tem como base uma previsão de alta de 10,18% da inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), no acumulado de 2021, o que, na prática, significa que não houve qualquer reajuste no valor do salário mínimo, mas apenas reposição inflacionária.

“Ou seja, não houve qualquer ganho real no valor do salário mínimo, pelo terceiro ano seguido. É um salário mínimo que vem sendo achatado por uma política que não garante o ganho real e repõe tão somente a perda no poder de compra”, lamentou o
parlamentar. “A medida provisória dispõe que o valor diário do salário mínimo corresponderá a R$ 40,40 e o valor horário será de R$ 5,51. Qualquer pessoa que faça um cálculo, por exemplo, do valor da cesta básica, vai ver qual é o impacto que a sobrevivência do povo trabalhador tem sobre o total do salário mínimo”, acrescentou.

Iran aproveitou para lembrar que, depois de muita luta dos trabalhadores, ficou comprovado que é possível se praticar uma política de valorização do salário mínimo, garantindo aumento real nos índices de reajuste, dado que todos os estudos mostram que o seu valor atual não consegue cumprir o que está estabelecido em lei, em termos de garantia das despesas mínimas de um trabalhador e de sua família.

“Durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, o aumento real do salário mínimo chegou a ser de 59,21%. Para que pudéssemos garantir esse aumento real, em 2007, quando eu ainda era deputado federal, instituímos, em lei, uma política de valorização do salário mínimo, que deveria durar até 2023, mas que acabou sendo interrompida com o golpe que afastou a presidenta Dilma do governo”, relembrou.

“A atual política de salário mínimo precisa ser repensada porque é uma política de arrocho, de fome e de morte. Já provamos que é possível instituir uma política de valorização do salário mínimo. Desmentimos os propagadores do caos que argumentavam que o aumento real do salário mínimo iria desestabilizar a nossa economia. Praticamos uma política de valorização, com aumento real, e comprovamos que essa é uma política que beneficia o conjunto da economia nacional, porque faz girar mais recursos, permitindo mais inclusão nas atividades econômicas”, lembrou Iran Barbosa.

Foto: Divulgação Ascom/Arquivo EBC

Outras notícias para você