O dia 11 de Agosto foi marcado por importantes discussões na Assembleia Legislativa de Sergipe, a Alese. A tribuna da Casa do Povo foi palco de comemorações,  e registros de diversos assuntos por parte dos parlamentares, e, em especial, sobre a data de comemoração aos 10 anos  da Lei Maria da Penha.

Sessão

No seu momento de inscrição para uso da palavra no pequeno expediente na sessão da manhã de hoje, a deputada Ana Lúcia (PT) fez grandes colocações nas áreas de Educação, e da Lei 11.340/06 , a Maria da Penha.

Na segunda-feira passada, fiz aqui na tribuna um pronunciamento sobre a Lei Maria da Penha. O problema é cultural e processual. Na verdade não tem como, num sistema como nosso, de a Lei vir a ser a solução dos problemas. Precisamos investir na educação e cultura que imprime essa ocorrência contra a mulher. Principalmente nessa cultura patriarcal, machista. Cultura desse domínio do homem sobre a mulher, de a mulher ser propriedade dos homens”, salientou a deputada.

Como reflexão, a parlamentar frisou ainda que, “avançamos muito com a aplicação da Lei, mas precisamos desnaturalizar a violência contra a mulher, princialmente a violência doméstica”, frisou Ana Lúcia.

Dia dos Estudantes

Em comemoração da data de hoje, o Dia do Estudante, a deputada ressaltou ser necessário respeitar o que se foi implantado e que está prescrito na Legislação de Ensino e no Estatuto da Criança e do Adolescente, a fim da promoção de tudo proposto na Legislação e no Estatuto.

Então, não pode ser aprovado no Congresso Nacional a Escola sem Partido. Além de antidemocrático e ferir a liberdade de expressão dos professores e professoras, o projeto traz uma falsa neutralidade, que já indica um posicionamento.

Escola deve ser um espaço de reflexão e debate, para que os estudantes, crianças e jovens, aprendam a refletir sobre a sua realidade.

Por, Stephanie Macêdo, Agência Alese de Notícias