Conscientizar a população sobre a importância de conhecer e medir a sua pressão arterial e de adotar hábitos de vida mais saudáveis, é o objetivo da Campanha Menos Pressão, promovida pela Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH), que acontece hoje, 26 de abril, em todo o país. Em Aracaju, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), está promovendo na Unidade de Saúde Eunice Barbosa, Bairro Coqueiral, a ação ‘Parada Obrigatória’, com aferição da pressão e exames.

Para fazer um alerta da importância do controle da pressão arterial, a cardiologista Thaís Carvalho Vieira, lembra que existe um número de hipertensos que possuem a doença e não têm conhecimento. “Estima-se que 50% das pessoas com pressão alta não sabem disso, e dos que sabem apenas 25% são aderentes ao tratamento. Daí a importância da campanha da Sociedade Brasileira de Hipertensão que espera incentivar a aferição da pressão com regularidade e a população entenda o que eles significam”.

Ainda de acordo com Thaís Vieira, atualmente, a hipertensão atinge em média de 30% da população brasileira, chegando a mais de 50% na terceira idade. É responsável por 40% dos infartos, 80% dos acidentes vascular cerebral (AVC), chamado também de derrame cerebral e 25% dos casos de insuficiência renal.

Foto: Juliano Oliveira

Foto: Juliano Oliveira

A cardiologista explica que a hipertensão pode ser causada por predisposição hereditária, excesso de peso, estresse, consumo exagerado de sal ou álcool, entre outros. “Segundo dados do Ministério da Saúde (MS), o consumo de sal é de aproximadamente, 12g por dia, número duas vezes maior que o recomendado pela a Organização Mundial da Saúde (OMS). 52% dos brasileiros estão acima do peso e 46% estão sedentários”, informou.

De um modo geral, a hipertensão é diagnosticada quando o paciente apresenta uma pressão arterial igual ou superior a 14 por 9. “O grande problema dessa doença é que ela, geralmente não apresenta sintomas e as vezes o primeiro sinal de sua presença é um AVC”, afirmou Thais Vieira, acrescentando que no mundo, de acordo com a OMS, cerca de 7 milhões de pessoas morrem a cada ano e 1,5 bilhão, adoecem por causa da pressão alta. As graves consequências da doença podem ser evitadas, desde que os hipertensos conheçam sua condição e mantenham-se em tratamento”, frisou.

O conselho que a cardiologista repassa aos pacientes, é que seja feita a consulta, ao médico especialista, seja periódica para que, se for, diagnosticada a hipertensão, eles possam mudar os hábitos alimentares com restrição de sal, prática de atividade física, além do uso correto da medicação.

Por Glice Rosa – Agência Alese de Notícias