Por Habacuque Villacorte

O deputado estadual Capitão Samuel (PSL) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa, na manhã dessa terça-feira (16), para destacar o convênio celebrado pela Secretaria de Estado da Saúde com o Batalhão da Restauração, em São Cristóvão, graças às emendas parlamentares direcionadas para aquela instituição filantrópica. Da tribuna, Samuel aproveitou para fazer um desabafo público e rebateu algumas críticas que a entidade recebeu nas redes sociais.

“Se querem criticar, que critiquem o Capitão Samuel, as minhas posições, a minha postura, mas não o trabalho, não a entidade! Quero celebrar aqui o convênio que conseguimos firmar com a Secretaria de Saúde via PGE, graças às emendas dos colegas parlamentares. Tínhamos um convênio com o governo federal que pagava os 22 funcionários, mas houve um corte em setembro por questões orçamentárias e nós estamos segurando até agora na fé, literalmente pedindo doações”, explicou o deputado.

Samuel colocou ainda que as buscas por doações nas feiras livres aumentaram consideravelmente. “Colocando cada refeição a R$ 10, por dia, são R$ 40 de alimentação por cada; por mês são R$ 120 mil apenas com alimentação. E o combustível? E o remédio? Muitos chegam lá sem roupas! Agora faz um convênio de R$ 700 mil e ficam criticando? Isso só garante seis meses de alimentação! Temos sete carros rodando para dar assistência ao pessoal. Me critiquem, mas não ataquem a obra”.

Apartes

O deputado estadual Luciano Bispo (MDB) disse que é testemunha do trabalho desenvolvido pelo Capitão Samuel com o Batalhão da Restauração. “Vou continuar ajudando e quem vai lhe pagar é Deus. Crítica sempre tem! Uns por inveja, outros para ver o trabalho acabando. Não pare! Resista porque tudo ali é feito com muita responsabilidade”.

O deputado Francisco Gualberto (PT) também ficou solidário e disse que “não some a falta de ética, a desonestidade de algumas pessoas. O deputado estadual Capitão Samuel é um defensor da vida, tem um coração bom e trabalha pela felicidade das pessoas. Não dê importância a esse tipo de gente. É difícil engolir calado, mas faça o que puder”.

A deputada Kitty Lima (Cidadania) disse que há 10 anos trabalha com ONG e lamenta que a ação social não tenha ajuda. “Por mês, quando a gente calcula, vai de R$ 6 a R$ 7 mil apenas com cirurgias em clínicas. Nunca tive ajuda! É tudo do bolso ou das doações das pessoas. Mas não desista de seu trabalho social”.

A deputada Maria Mendonça (PSDB) disse que ainda não teve a oportunidade de conhecer o Batalhão da Restauração, mas entende que as pessoas aflitas chegam lá são devidamente acolhidas. “É um acompanhamento importante, estão ajudando a salvar vidas. Não se desestimule porque algumas coisas acontecem por falta de Deus no coração. Quem deveria ajudar e contribuir e ficam criticando”.

O deputado Zezinho Guimarães (MDB) anunciou a doação de calças jeans para o Batalhão da Restauração e disse que “Não existe fé sem obra. Não desista e siga seu trabalho”. O deputado Zezinho Sobral (PODE) também ficou solidário com o Capitão Samuel.

Foto: Jadílson Simões