De acordo com dados registrados no Mapa da Violência, em 2014, o Brasil alcançou seu recorde histórico, no total de 59.627 mortes, o equivalente a uma taxa de 29,1 ocorrências a cada 100 mil habitantes. Número muito superior ao proposto pela ONU, que estabelece como aceitável o máximo de 10 homicídios por 100 mil habitantes. Ou seja, a violência é considerada epidêmica. O Brasil, que, sob o manto do Estatuto do Desarmamento, alcançou o status de líder mundial em números absolutos de homicídios.

 

Preocupada com a violência em nosso Estado, a Assembleia Legislativa de Sergipe, em parceria com os órgãos responsáveis pela segurança pública, promoveu um grande debate acerca da cultura da paz e o desarmamento de armas de fogo, em consonância com a Campanha Nacional do Desarmamento, lançada em 2011 pelo Governo Federal, com o objetivo de reforçar a campanha nacional, bem como incentivar o recolhimento das armas, afim de reduzir a criminalidade.

 

 

Estudantes ocuparam as galerias do plenário Deputado Pedro Barreto de Andrade da Alese, afim de acompanhar a discussão, tendo como cenário, a invasão de marginais à escolas para fazerem arrastões entre os estudantes com posse de arma.

 

 

Para Pedro, estudante de 15 anos, a vinda deles ao parlamento trata-se de um pedido de clemência aos governantes, e aos deputados. “Já enviamos relatório com fotos até para a Secretaria de Educação, e até agora não houve melhoramentos. Estamos com medo de ir a aula, pois roubam nossos celular e carteiras, e isso dentro da escola, pois pulam o muro para entrarem. Estamos inseguros!”, desabafa o estudante e ressalta “sei que essa ocorrência não está apenas na escola, sabemos que Sergipe está assim, a insegurança é geral”.

 

 

Para o coordenador da audiência, o deputado Capitão Samuel (PSL), “a juventude que acompanha o trabalho da vida pública, é de grande importância. Pois passam a ter compreensão do trabalho realizado nesta Casa, e criam o senso crítico, de frisar o que é bom, dando continuidade, e de melhorar amanhã o que ocorre no hoje”, salientou o deputado, que é presidente da Comissão de Segurança da Assembleia Legislativa.

 

 

Em 2015, Sergipe registrou 1.196 homicídios dolosos e 47 latrocínios. O fato levou o Estado a ocupar, pela primeira vez, a classificação de primeiro lugar no ranking da violência, com 57,3 mortes violentas intencionais a cada 100 mil habitantes, desbancando a vizinha Alagoas.

 

 

Vale ressaltar que durante a promoção das campanhas do desarmamento promovidas pelo Estado em 2016, 30 armas de fogo foram entregues voluntariamente, essa informação foi passada pela coordenadora do Comitê Sergipano do Desarmamento, a delegada Meire Monsuet em entrevista à TV Alese.

 

 

De acordo com a delegada Meire, o número de armas entregue em 2016 foi pequeno e que reflete a necessidade de ser reforçada a Campanha com ações de conscientização voltada, principalmente, para jovens com idade entre 12 a 26 anos. A ideia da coordenação é levar palestras às escolas e universidades. “Nós vamos focar nos jovens acreditando na prevenção para o combate da criminalidade e combate à violência”, disse.

 

 

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública de Sergipe, em 2016 foram apreendidas aproximadamente 1500 armas de fogo. De acordo com o superintendente executivo da SSP, coronel José Pereira de Andrade, destacou que diversas operações permanecem sendo realizadas em 2017 e a ideia é intensificar. ” A chegada da Força Nacional é de fundamental relevância. E com o aumento da ostensividade, pretendemos angariar mais armas apreendiadas no Estado”, salientou.

 

 

Por Agência de Notícias Alese
Foto: Divulgação