Participante da audiência pública que ocorreu na Alese na manhã desta sexta-feira, 25, o assessor sindical da Federação dos Agricultores de Sergipe (Fetase), Jocélio Oliveira dos Santos, se manifestou nas discussões compartilhando algumas contribuições que sugerem mitigar o efeito da seca sobre o sertão sergipano.

Para  Jocélio,  até a concretização do Canal Xingó, algumas alternativas de técnicas de manejo do solo e reuso da água é imprescindível que se ocorra para enfrentar o período extenso da seca no sertão em Sergipe.

Preservação do velho Chico

A preservação ao Rio São Francisco, que margeia alguns municípios do sertão sergipano, foi o primeiro item explorado pelo agricultor durante a audiência.  “O impacto trazido pela seca é efetivo e não devemos apenas pensar em ações imediatas, e sim numa ação estratégica para longo prazo. O rio São Francisco precisa de ações  concretas de revitalização, a situação do rio é grave, pois vem sofrendo, sobretudo,  com dejetos. Então, pensamos em melhorar a captação de água, mas é preciso, para isso, manter o rio saudável, como trabalhar  a revitalização da sua nascente, que o mantém mais forte”, aponta.

Reuso da Água

Outro ponto estratégico de melhoria aos impactos  da seca, que foi ressaltado por ele foi o Reuso da Água. “Muitas águas poderiam ser reutilizadas para o aporte forrageiro da palma e mesmo no período de seca,  a exemplo da água canalizada pelo uso urbano, como  já ocorre no Rio Grande do Norte”, exemplificou o sindicalista.

Jocélio Oliveira, encerrou sua contribuição ressaltando que uma outra estratégia de melhor uso dos recursos hídricos seria a reutilização da água das chuvas. “Que as águas pluviométricas sejam melhor aproveitadas, com a utilização de cisternas e calçadões. Essa água da chuva precisa ser infiltrada no solo para não causar a erosão do solo e abastecer as águas subterrâneas, as quais precisam ser repostas. Precisamos produzir água com ações  como a da  utilização da técnica do remanejo do solo,  que  faz com que  a água infiltre no subsolo e seja canalizada para as barragens subterrâneas.

Por, Agência de Notícias Alese

Foto: Jadilson Simões