Por Kelly Monique Oliveira

Na manhã desta sexta-feira, 15, aconteceu a solenidade de aniversário do Arquivo Público do Estado de Sergipe (APES), que celebrou 98 anos de fundação. O órgão, vinculado à Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura e que guarda um acervo documental dos séculos XVIII, XIV e XX, também prestou homenagem aos ex-diretores e inaugurou uma galeria com fotos dos antigos gestores.

subsecretário-geral da Mesa Diretora da Alese, Igor Albuquerque

Para o subsecretário-geral da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa do Estado de Sergipe (Alese), Igor Albuquerque, que representou o presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe, deputado Luciano Bispo, celebrar os 98 anos da APES é importante por se tratar de uma instituição que guarda a memória administrativa do Estado de Sergipe.

“Aqui é um local relevante, com acervo único e que está à disposição dos pesquisadores sergipanos. Preservar, incentivar e estimular instituições como a APES é extremamente importante para que possamos estudar o nosso passado, guardar nossa memória, preservar nossa história e projetar para onde nós iremos. Parabéns ao Governo do Estado pelo excelente trabalho de preservação deste prédio, Palácio Carvalho Neto, que serve tanto os servidores públicos, instituições do Estado e aos pesquisadores”, ressaltou Igor Albuquerque.

Professor de História, Mário Meneses

Representando o Governo do Estado e o secretário da SEDUC, Josué Modesto dos Passos Subrinho, o professor de História da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Mário Meneses, destacou que no APES estão todas as documentações do Poder Executivo, Legislativo e parte do Judiciário. “Comemorar os 98 anos do APES é um aviso para geração atual e às futuras, no sentido de que é necessário a gente guardar essa memória e essa história do Estado de Sergipe”, enfatizou.

A diretora da APES, Sayonara Rodrigues, relatou que é importante prestar homenagem aos ex-diretores da instituição, que ao longo dos anos se dedicaram e deixaram suas marcas. “Nada mais justo do que homenageá-los neste dia tão importante do aniversário da instituição, criada em 1923, por Maurício Graccho Cardoso. Então, nossa gratidão também da atual gestão e aos antigos diretores. O APES só é o que é, hoje, porque eles, lá no passado, fizeram muito e deixaram muito suor para que a gente pudesse conservar os documentos e disponibilizá-los a sociedade sergipana”, contou.

Primeira mulher gestora da APES, Terezinha Alves de Oliva

Emocionada em ter seu trabalho reconhecido e ter sido a primeira mulher a dirigir o Arquivo Público de Sergipe, Terezinha Alves de Oliva, ressaltou  a importância e a luta de todos os gestores que por ali passaram. “Todos lutaram pela sobrevivência do APES que guarda a memória oficial de Sergipe, então, receber essa homenagem é muito gratificante”.

Prestigiando a solenidade dos 98 anos do Arquivo Público do Estado de Sergipe, assim como demais colegas do curso de História, a estudante Lara Lima Resende, observou que diariamente entra em contato com documentos administrativo e financeiros, e cuidar do acervo servirá para diversas pesquisas de estudantes e professores. “O arquivo é a base do Estado, pois aqui, tem documentos financeiros, administrativos, sociais, políticos e educacionais. Então, é como se fosse, basicamente a história do Estado dentro do arquivo”, enfatizou.

Homenageados

Diretora da APES, Sayonara Rodrigues

Claúdio Remacre Munareto, Enoilda Santos Monteiro, Francisco Alberto Bragança Azevêdo, Gilson Sérgio Matos Reis, José Alves Filho, José Barbosa da Silva, José Batista Santana, José Marques Vieira Macedo, Josefa Rocha de Jesus (Branca), Lícia Cristina Souza Santana, Manuel Alves do Prado Neto, Maria das Graças Menezes Moura, Maria do Carmo Silva Araújo, Maristher Moura Vasconcelos, Milton Barboza Silva, Shakespeare de Andrade, Terezinha Alves de Oliva e Zenilde de Jesus Silva.

Histórico

O Arquivo Público de Sergipe é uma instituição que está encarregada de guardar, preservar e dar publicidade aos documentos produzidos pelo poder executivo ao longo da sua história, como correspondências oficiais, leis, decretos, documentos da burocracia estadual, mapas, fotografias, jornais, entre outros. O Arquivo tem alimentado pesquisas, entre monografias de conclusão de curso, dissertação de mestrado, teses de doutorado, dentro e fora do estado, e até pesquisas de estudiosos de outros países.

O espaço tem sua origem na Seção de Arquivo da Biblioteca Pública Provincial, criada em 1848. No Governo de Maurício Graccho Cardoso, em 1923, foi criado o Arquivo Público do Estado. Em 1926, o Arquivo voltou à condição de Seção da Biblioteca Pública, mantendo-se nesta situação até 1945.

O imóvel que hoje abriga o Arquivo Público, chamado de ‘Palácio Carvalho Neto’, foi construído em 1936 em estilo rococó, para abrigar a Biblioteca Pública e a seção do Arquivo Público. Em 1947 o Arquivo Público mudou-se para o imóvel que hoje sedia a Escola do Legislativo (antiga Assembleia Legislativa). Essa situação permaneceu até 1974, quando foi construído um novo prédio para a Biblioteca Epifânio Dória, no bairro 13 de julho. A Biblioteca mudou-se e o Arquivo Público passou a ocupar sozinho o Palácio Carvalho Neto.

Dentre os documentos do Arquivo Público estão uma escritura de compra e venda de uma propriedade rural de 1673, além da coleção do pesquisador Sebrão Sobrinho digitalizada na íntegra; do jurista Gumercindo Bessa; de documentos do poeta Freire Ribeiro e do pesquisador e historiador Epifânio Dória, entre outros. Consta ainda no acervo do Apes todo o Diário Oficial do Estado, digitalizado, impresso em Sergipe desde a primeira edição em 1895, até o último circulado em formato impresso, em dezembro de 2012.

O prédio do APES foi recentemente entregue à população totalmente reformado e modernizado, com investimentos da ordem de R$ 900 mil, por meio de parceria firmada entre o Governo de Sergipe e a Centrais Elétricas (Celse), através de Protocolo de Intenções que visa promover ações de preservação do patrimônio cultural e histórico de espaços públicos que integram o meio ambiente cultural do Estado de Sergipe, a exemplo também do Teatro Tobias Barreto e da recém-inaugurada obra de modernização da Biblioteca Epiphanio Dorea.

Fotos: Jadilson Simões