A deputada estadual Ana Lúcia registou na tribuna da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira, 21, sua indignação diante do massacre de oito professores e militantes sociais na cidade de Oaxaca, no México, na última segunda-feira, 20, que se manifestavam contra reformas na educação adotadas pelo governo do México há três anos.

O massacre se deu no último domingo, 19, quando a Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE), ao lado de milhares de militantes e simpatizantes, realizou uma grande manifestação pacífica, que bloqueou a estrada Oaxaca-México. Forças da polícia estadual de Oaxaca e da polícia federal mexicana se dirigiram ao local para despejar os professores, com a ordem de “Atirar para Matar”. Para a deputada e professora, a ação brutal do governo mexicano contra os que lutam pela educação pública e de qualidade para todos deve ser repudiada por todo o mundo.

Neste sentido, Ana Lúcia apresentou a Moção de Repúdio 21/2016, direcionada ao presidente do México, Enrique Neto, e à embaixadora do México no Brasil, Beatriz Elena Paredes Rangel, pela ação brutal das tropas federais e estaduais contra os trabalhadores. “Quando o México reage, vem a força nacional, por ordem da presidência da República para matar. Movimento social está sendo não apenas criminalizado por meio da Justiça, mas está sendo tratado à margem das leis e à margem da sociedade. Isso é muito grave”, lamentou Ana Lúcia.

Os trabalhadores da educação estão em greve geral desde o último dia 15 de maio, após três anos de luta contra as medidas que atacam os direitos trabalhistas e propõem cortes na política de educação do México. Entre as medidas mais criticadas pela CNTE estão a determinação de que os postos dos professores serão designados pelo governo e não pelo sindicato, como era até então, e a imposição das avaliações aos docentes. Além de criticar estes aspectos, aCNTE vem, há três anos, denunciando que as medidas da reforma levarão à privatização do ensino no país.

Ao destacar a ameaça do projeto neoliberal que está sendo implementado no México, Ana Lúcia chamou a atenção que esta é uma realidade que tem se espalhado por toda a América Latina, inclusive no Brasil, onde os rebatimentos do neoliberalismo já podem ser percebidos em poucos dias de governo Temer. “Esse projeto neoliberal também está aqui no Brasil, sendo implantado pelo Ministério da Educação. É um completo desmonte do Ministério”, criticou.

Ascom Parlamentar deputada estadual Ana Lúcia