As ruas do centro de Aracaju foram tomadas pela população, que marchou na tarde desta quinta-feira, 20, contra os retrocessos e cortes nas políticas sociais que serão impostos pela PEC 241. A proposta tramita no Congresso Nacional e se aprovada, irá congelar por 20 anos os investimentos públicos nas áreas sociais, a exemplo da saúde, educação, cultura, assistência social e segurança.

Ao lado da população e dos movimentos sociais, Ana Lúcia marchou pelas ruas da capital durante o ato público, realizado pelo Comitê Sergipano contra a PEC 241, articulação de entidades e movimentos que reúne a Seccional Sergipe da Ordem dos Advogados do Brasil, segmentos da Igreja Católica, a exemplo do Conselho Nacional do Laicato, e uma diversidade de movimentos sociais, entidades populares, sindicatos e centrais sindicais, coletivos estudantis, de juventude e de direitos humanos.

O objetivo do ato público é informar a população para que esta conheça os prejuízos que serão trazidos pela PEC e sensibilizar os parlamentares federais para que eles não aprovem a proposta, que já foi aprovada em primeira instância na Câmara dos Deputados com voto favorável de seis dos oito parlamentares federais de Sergipe.

Em seu discurso no ato público Ana Lúcia conclamou à esquerda no sentido de construir a unidade para o enfrentamento do cenário perigoso que o Brasil enfrenta, um regime de exceção, caminhado para uma ditadura. “Essa PEC destrói todas as conquistas que os trabalhadores, os desempregados, a juventude, homens e mulheres construíram e conquistaram nos últimos anos”, destacou, alertando que as próximas medidas que o governo golpista de Temer adotará é a reforma da previdência e a retirada dos direitos dos trabalhadores, com a revisão da CLT.

Foto e texto: Ascom Parlamentar