A deputada estadual Ana Lúcia ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa na última quarta-feira, 25, para prestar seu apoio aos trabalhadores e trabalhadoras da Fundação Renascer que atuam nas medidas socioeducativas. A categoria ocupou as galerias da Casa Legislativa para acompanhar o pronunciamento da parlamentar.

 

A principal reivindicação dos trabalhadores é a criação de um Plano de Carreira que inclua todos os profissionais da casa: agentes de medidas socioeducativas, psicólogos, assistentes sociais, pedagogos, entre outros. Ana Lúcia explicou que, por serem celetistas, todos estão prejudicados na medida em que foi elaborado um plano de carreiras para todos os funcionários públicos exceto os celetistas.
Os funcionários públicos tiveram a oportunidade de rever seus planos de carreiras, e cada categoria negociou seu plano, porém, os contratados celetistas da Fundação Renascer não tiveram essa prioridade. Portanto, tanto os agentes de medidas socioeducativas, quanto assistentes sociais, psicólogos, todos os trabalhadores da área, que são concursados e celetistas, não tiveram a oportunidade de dialogar e construir um plano de carreira”, lamentou.

 

Outra pauta de reivindicação da categoria é a garantia do auxílio alimentação. A deputada explicou que os profissionais já negociaram o benefício, mas ele ainda não foi regulamentado. “O projeto de auxílio alimentação está pronto, já saiu da Fundação Renascer e se encontra na governadoria. Agora ele precisa chegar com urgência nesta casa para que seja aprovado e para que os funcionários tenham assegurado na forma da lei o auxílio alimentação”, apelou.
A deputada destacou que os profissionais que atuam com as medidas socioeducativas são uma categoria profissional extremamente importante para a solução dos problemas sociais. “É uma área estratégica para a sociedade e de extremo desafio para os trabalhadores”, destacou.

 

Estes profissionais lidam com adolescentes que, diante das circunstâncias da vida, cometeram atos infracionais. Ali é o espaço de ressocialização desses adolescentes, portanto é preciso ter sempre uma concepção pedagógica e uma abordagem educativa para ajudá-los a voltar ao convívio social”, finalizou, reforçando a necessidade de garantir melhores condições de trabalho e estímulo para a carreira dos agentes, assistentes sociais, pedagogos e todos os profissionais que atuam na Fundação Renascer.

Por Débora Melo –  Ascom Parlamentar Dep. Ana Lúcia