No Dia do Folclore, a Assembleia Legislativa presta homenagens a todos os mestres e brincantes, a todas as pessoas envolvidas na missão de manter vivas as as tradições folclóricas do estado de Sergipe, a todas as famílias que através de gerações, perpetuam a paixão pela história das manifestações que carregam o nome do estado de Sergipe.

No Brasil, o Dia do Folclore foi oficializado em 17 de agosto de 1965 por meio do Decreto nº 56.747, assinado pelo então presidente Humberto de Alencar Castello Branco e por seu Ministro da Educação, Flávio Suplicy de Lacerda. 

Em 1947, foi criada a Comissão Brasileira de Folclore e, posteriormente, as comissões estaduais. Em 1951 se realiza por primeira vez, no Rio de Janeiro, o 1º Congresso Brasileiro de Folclore.

 No Dia do Folclore, costuma-se relembrar os elementos mais importantes da cultura popular brasileira, como as danças, os ritmos, as festas e os personagens do folclore. 

Em Sergipe, são diversos grupos folclóricos que compõem as manifestações populares, entre eles: Cacumbi, Cangaceiros, Chegança, Guerreiros, Lambe-Sujo e Caboclinhos, Maracatu, Parafusos, Reisado, São Gonçalo, Taieira, Zabumba. Tem ainda os grupos que são pertencentes ao ciclo junino : Bacamarteiros, Batucada e Samba de Coco, Sarandai e Pisa- Pólvora. 

Foto: Neu Fontes