Na tarde dessa segunda-feira (09), o deputado estadual Zezinho Guimarães (PMDB), ocupou a tribuna para falar de uma intenção já anunciada pelo Governo Federal: o confisco de 30% da receita compulsória do Sistema S (composto principalmente pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai); Serviço Social do Comércio (Sesc); Serviço Social da Indústria (Sesi); e Serviço Nacional de Aprendizagem do Comércio (Senac).

O parlamentar repudiou a atitude do governo que, segundo ele, vai piorar a crise já existente. “60% de todos os jovens formados pelo Senai, por exemplo, estão empregados. É um sistema que ajuda o Brasil, que não depende do governo federal, já que recebe recursos do empresariado e que mesmo assim está agonizando com essa decisão”.

Durante seu discurso, Zezinho leu um texto do ex-presidente da  FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), Luís Eulálio de Bueno Vidigal, que falava do assunto. Segundo o artigo “o governo federal apresentou a irracional proposta do confisco de mais de 30% da receita do sistema S. É um desatino, um ato de desespero [..]”.

Finalizando sua fala, o deputado afirmou que Sergipe já sente o efeito do confisco. “Cerca de 500 funcionários já foram demitidos, cursos poderão ser cancelados e isso é apenas o reflexo dessa medida  do governo, que não pensou em como isso afetaria negativamente, toda a sociedade brasileira”, disse.

Por Camila Ramos – Agência Alese de Notícias